sábado, 7 de abril de 2012

FORRÓ E MÚSICA ELETRÔNICA ANIMAM FESTA DURANTE O FERIADO NO CEARÁ.



Aviões do Forró comanda festa em Tianguá, na Serra de Ibiapaba.
'Flecheiras Sounds' leva música eletrônica e sertaneja para o litoral oeste.

Do G1 CE
Aviões do Forró fazem festa na Serra Ibiapaba neste sábado (Foto: Divulgação/Agência Edgar de Souza/Eduardo Freire)Aviões do Forró comanda festa em Tianguá (Foto:
Divulgação/Agência Edgar deSouza/Eduardo Freire)
Festas com bandas de forró e música eletrônica animam capital, litoral e interior doCeará durante o feriadão da Semana Santa. Em Tiaguá, cidade da região serrana localizada a 318 km de Fortaleza, a bandaAviões do Forró comanda o “Aviões na Serra”, que traz também as bandas Pé de Ouro e Xé Pop em um hotel neste sábado (7). Em Quixadá, no Sertão Central, uma festa com previsão de 12 horas de duração tem como atrações as bandas Forró do Muído, Solteirões do Forró e Forró dos Plays a partir de 16h também no sábado. A dupla Italo e Renno e o sanfoneiro Waldonys são as atrações principais da festa de uma exposição promovida pela prefeitura de Cariré na véspera de páscoa.
Em Trairi, no litoral oeste do Ceará, uma festa de música eletrônica agita a praia de Flecheiras com Djs nacionais e internacionais, além da dupla sertaneja Luis Marcelo e Gabriel e o cantor Fabinho Varela em três dias de festa (de quinta-feira a sábado) em uma mansão na frente do mar. Outra festa que deve reunir interessados em música eletrônica é a “Titanium” na Praia de Iracema, em Fortaleza, nesta sexta-feira (6). As atrações teatrais também seguem neste fim de semana de Páscoa em Fortaleza com as peças “Manual de Sobrevivência ao Casamento” no Theatro José de Alencar; e “O Amor de Clotilde por um certo Leandro Dantas”, no teatro do Shopping Via Sul. Confira os detalhes da Agenda Cultural do G1 Ceará:
Aviões na Serrra
7 de abril (sábado)

Hotel Serra Grande (Tiaguá)
22h
Ingressos: de R$ 25 a R$ 50 (venda antecipada na farmácia “O Rodolfo”, em Sobral)
Muído, Solteirões, Plays e Toca do Vale
7 de abril (sábado)

Pinheiro Society (Quixadá)
A partir das 16h
Ingressos: R$ 25 (primeiro lote)
Expo Cariré (Waldonys e Italo e Renno)
7 de abril (sábado)

Praça Central de Cariré
22h
Ingressos: grátis.
Flecheiras Sounds
5, 6 e 7 de abril (quinta-feira, sexta-feira e sábado)

Trairi
Ingressos: R$ 110 (pacote valendo entrada para os três dias)
Vendas: Rede Beach Resort & Spa - Rua Principal S/N - Guajiru - Trairi
Titanium
6 de abril (sexta-feira)

Rua Dragão do Mar, 218 – Praia de Iracema
22h
Ingressos: de R$ 15 a R$ 25
Classificação indicativa: 18 anos.
Manual de Sobrevivência ao Casamento
6, 7 e 8 de abril (sexta-feira, sábado e domingo)

Teatro do Shopping Via Sul (Av. Washington Soares, 4335 - 3° piso - Fortaleza)
Sessões às 21h na sexta e sábado; e 20h no domingo.
Ingressos: de R$ 30 a R$ 60.

O Amor de Clotilde por um certo Leandro Dantas
7 e 8 de abril (sábado e domingo)

Theatro José de Alencar
Sessões às 20h no sábado e às 19h no domingo
Ingressos: grátis..fonte G1 CE/camocim belo mar blog

JUSTIÇA DO TRABALHO VAI FAZER INSPEÇÃO EM CANTEIRO DE OBRAS DA USINA DE JIRAU.



Objetivo é avaliar condições de segurança e acomodação dos trabalhadores.
Construção foi retomada nesta semana após ser parada em 8 de fevereiro.


D
Jirau (Foto: G.R/VC no G1)Canteiro de obras da Usina de Jirau durante o
período de paralisação em fevereiro deste ano
(Foto: G.R/VC no G1)
A Justiça do Trabalho vai realizar uma inspeção judicial nos canteiros de obras da Usina Hidrelétrica de Jirau na manhã deste sábado (7), em Rondônia. O objetivo é comprovar a situação de segurança e acomodação dos trabalhadores na construção. A decisão liminar foi tomada pela juíza federal substituta Maria Rafaela de Castro, da 8ª Vara do Trabalho de Porto Velho. Se forem constatadas irregularidades, a magistrada poderá pedir a paralisação da obra.
Na noite desta segunda-feira (2),manifestantes atearam fogo a alojamentos no canteiro da usina, segundo a Secretaria de Segurança Pública do estado. De acordo com o órgão, o incêndio começou às 21h e destruiu cerca de 36 alojamentos. Onze suspeitos de participação no incêndio foram presos. Segundo o Ministério Público do Trabalho (MPT), cerca de 4 mil trabalhadores estariam sofrendo diversos problemas (moradia, alimentação, transporte e direitos trabalhistas) em decorrência da por conta da destruição desses alojamentos.
A Ação Civil Pública foi ajuizada pelo MPT nesta quarta-feira (4), contra as empresas Energia Sustentável do Brasil S/A, Construções e Comércio Camargo Corrêa S/A, Jauru Construção Civil Ltda e Enesa Engenharia S/A.
Segundo o MPT, os procuradores do Trabalho Aílton Vieira dos Santos, procurador-chefe do MPT em Rondônia e Acre, Francisco José Pinheiro Cruz (da coordenadoria nacional de combate ao trabalho escravo) e Ruy Fernando Gomes Leme Cavalheiro (da coordenadoria nacional de combate às irregularidades na administração pública) estiveram nos canteiros de obras na terça-feira.
Eles apuram as condições dos alojamentos improvisados para onde foram levados os trabalhadores da usina depois do incêndio, além de denúncias de que as empresas estariam rescindindo o contrato de centenas de trabalhadores. O MPT quer saber, também, a quantidade exata de funcionários nos canteiros de obras e quantos foram desligados das funções.
Segundo a decisão da juíza federal do trabalho, se for constatada a "impossibilidade de acomodação ou a manutenção de risco à segurança e incolumidade física ou psicológica dos empregados, as empresas deverão adotar medidas para manter os trabalhadores em hotéis da cidade, principalmente, os que estão no SESI ou no Hotel Forasteiro, como na Casa de Eventos Talismã, no prazo de 72 horas."
Como será a inspeção judicial?
Ainda de acordo com a juíza Maria Rafaela, a inspeção judicial será feita por auditores fiscais da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego e poderá ser acompanhada por representantes das empresas e pelo Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil do Estado de Rondônia (Sticcero).
O texto da decisão liminar ainda determina o fornecimento de "alimentação e hospedagem digna, em condições higiênicas adequadas, para os empregados que escolherem permanecer em Porto Velho e que não possuam moradia na cidade e o fornecimento de alojamento aos funcionários que retornarem ao canteiro de obras", seguindo normas regulamentadoras.
O descumprimento da liminar prevê multa de R$ 1 mil diários por trabalhador que se encontrar em condições de precariedade nos canteiros de obra. As empresas deverão se manifestar em 72 horas sobre os pedidos liminares ainda não apreciados nessa fase processual. Para todos os fatos alegados pelo MPT, os prazos são diferenciados, conforme a Lei de Ação Civil Pública e o Código de Processo Civil.
Os representantes das empresas Energia Sustentável do Brasil S/A, Jauru Construção Civil Ltda e Enesa Engenharia S/A não foram localizados pela reportagem do G1 para comentar o caso. A assessoria da Construções e Comércio Camargo Corrêa S/A divulgou nota informando que os trabalhadores da usina que solicitaram desligamento após os atos de vandalismo já encontram-se a caminho de suas cidades de origem.
BanditismoO ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, classificou nesta quarta-feira o incêndio em alojamentos da usina hidrelétrica de Jirau como "banditismo". O governo enviou mais 120 homens da Força Nacional de Segurança para a usina, que fica no rio Madeira, em Rondônia.fonte G1 SP/CAMOCIM BELO MAR BLOG

TEMPO MELHORA EM TERESÓPOLIS APÓS TEMPORAL QUE DEIXOU UM SALDO NEGATIVO DE 5 MORTOS NO RJ.



Não chove na região desde a madrugada e sol chegou a reaparecer. 
Chuva na sexta deixou vários desabrigados na cidade da serra do RJ.

Tássia ThumDo G1, em Teresópolis
Teresópolis (Foto: Tássia Thum/G1)Na chegada a Teresópolis, há um pequeno deslizamento de terra (Foto: Tássia Thum/G1)
Depois de um temporal que deixou cinco mortos e vários desabrigados, a cidade de Teresópolis, na Região Serrana do Rio, amanheceu com tempo nublado, mas seco, sem chuva neste sábado (7). O sol chegou a reaparecer e há uma leve neblina na entrada da cidade. Segundo o quartel do Corpo de Bombeiros do município, não chove na região desde as 2h30.
Rua em Teresópolis (Foto: Tássia Thum/G1)Canteiros ficaram destruídos na Rua Flávio
Bertoluzzi de Souza (Foto: Tássia Thum/G1)
Também na chegada à cidade, na localidade conhecida como Soberbo, próximo ao Parque Nacional da Serra dos Órgãos, há um deslizamento, mas sem interdição da Rodovia Rio-Teresópolis, que está suja de barro. A cachoeira próxima ao parque está com o fluxo de água aparentemente normal.
Nesta manha, ainda é possível ver os sinais de destruição provocados pela força da água. Na Rua Flávio Bertoluzzi de Souza, próxima a feirinha do alto, os canteiros ficaram destruídos e as pedras ocupam as calcadas.
Cinco mortes
Na sexta-feira (6), o mau tempo alagou as ruas da cidade e causou oito deslizamentos de terra. Além das cinco vítimas, várias estão desabrigadas. Os bairros mais afetados pelo temporal foram Perpétuo, Pimentel e Rosário. Durante a madrugada, o comandante-geral do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, coronel Sérgio Simões, que esteve na cidade, informou que o número de pessoas fora de casa era estimado em 800. Todas as vítimas foram levadas para creches e escolas do município.
A Rio-Teresópolis, principal ligação entre a capital e a cidade da região serrana, que chegou a ficar quase 3 horas fechada nos dois sentidos, reabriu na noite de sexta. De acordo com a CRT, concessionária responsável pela via, a interdição ocorreu por medida preventiva, por causa da chuva forte.
O prefeito de Teresópolis informou também que os dois hospitais da cidade, além da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) estão de prontidão para atender as vítimas dos deslizamentos.
“A prefeitura está toda em alerta. Caiu umas barreiras no Rosário, mas a prefeitura já está tirando. Na Fonte Santa, onde teve muita água, o acesso já está sendo liberado”, explicou o prefeito, na sexta.
As vítimas
A quinta vítima localizada é uma mulher, que estava sob os escombros de uma casa no bairro de Santa Cecília. O filho dela, de 5 anos, foi resgatado com vida, de acordo com o coronel Simões.
Segundo as primeiras informações, uma vítima teria 14 anos, moradora do bairro Quinta Lebrão. Um casal teria sido retirado sem vida em um desabamento em Bom Retiro e ainda uma outra vítima morreu em um deslizamento na comunidade Pimentel.
Anteriormente, os bombeiros informaram que a vítima de 14 anos era do sexo masculino, porém, às 23h41, a corporação afirmou que era uma menina.
Segundo a Secretaria de Estado da Defesa Civil, o sistema de alerta sonoro da cidade foi acionado nos bairros de Perpétuo e Rosário, e moradores estão sendo orientados a seguir para os pontos de apoio.
Friburgo
Em Nova Friburgo, também na Região Serrana, a chuva forte do fim da tarde de sexta provocou um deslizamento de terra na RJ-142, estrada que liga os distritos de Mury a Lumiar.
Mapa copm a localização de Teresópolis (Foto: Arte/G1)
Segundo a Defesa Civil do município, em quatro horas choveu mais do que o esperado no município para o mês inteiro. Mais cedo, o Rio Bengalas, no Centro da cidade, chegou a transbordar, mas as águas já retornaram ao nível normal.
Todos os rios da Região Serrana estão em estágio de atenção, ainda de acordo com o Inea. A Defesa Civil do estado informou que as equipes estão mobilizadas nos dois municípios.
Em janeiro de 2011, a chuva que devastou municípios da Região Serrana deixou mais de 900 mortos.
tópicos: