sábado, 14 de julho de 2012

A MENSAGEM DO DIA.


QUE DEUS ABENÇOE A TODOS NÓS!
Oh! meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno,
levai as almas todas para o céu e socorrei principalmente
as que mais precisarem!Graças e louvores se dê a todo momento:
ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento!
Mensagem:"O Senhor é meu pastor, nada me faltará!"
"O bem mais precioso que temos é o dia de hoje!    Este é o dia que nos fez o Senhor Deus!  Regozijemo-nos e alegremo-nos nele!".
( Salmos )

A SANTA MISSA DESTE DOMINGO DIA 14/07/2012.


NOTA ESPECIAL: VEJA NO FINAL DA LITURGIA OS COMENTÁRIOS DO EVANGLEHO COM SUGESTÕES PARA A HOMILIA DESTE DOMINGO. VEJA TAMBÉM NAS PÁGINAS "HOMILIAS E SERMÕES" E "ROTEIRO HOMILÉTICO" OUTRAS SUGESTÕES DE HOMILIAS E COMENTÁRIO EXEGÉTICO COM ESTUDOS COMPLETOS DA LITURGIA DESTE DOMINGO.
Ambientação:
Sejam bem-vindos amados irmãos e irmãs!
INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL PULSANDINHO: O Pai nos chama e nos confia uma missão a ser desempenhada ao estilo de Jesus, que veio para curar, consolar, libertar, destruindo tudo o que oprime e escraviza e abrindo possibilidades de vida feliz e abundante. Participando da celebração, Ele nos consagra como enviados, entregando-nos seu Espí- rito, e nos fortalece para que nunca percamos o entusiasmo e a alegria em nossa missão. Somos convidados a indagar-nos: como nos posicionamos diante do chamamento que Deus nos faz? Nosso compromisso é a resposta.
INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL O POVO DE DEUS: Celebramos neste domingo o envio dos discípulos por Cristo para anunciar o Reino de amor, expulsar os demônios e curar os doentes. Essa missão hoje é colocada em nossas mãos, que vivemos num mundo em dificuldade de crer e amar, sendo, por isso mesmo, refém do mal e das enfermidades. Por isso preparamo-nos para celebrar, a partir de 11 de outubro, o Ano da Fé, instituído pelo Papa Bento XVI. Assim a Igreja pode renovar o movimento dos discípulos de Jesus, que acataram o mandamento do Amor e levaram-no ao mundo inteiro. Procuremos atuar em nossa Igreja de São Paulo com o mesmo ardor que marcou a evangelização da primeira hora.
Sintamos o júbilo real de Deus em nossos corações e cheios dessa alegria divina entoemos alegres cânticos ao Senhor!
XV DOMINGO DO TEMPO COMUM
Antífona da entrada: Contemplarei, justificado, a vossa face; e serei saciado quando se manifestar a vossa glória (Sl 16,15).
Oração do dia
Ó Deus, que mostrais a luz da verdade aos que erram para retomarem o bom caminho, dai a todos os que professam a fé rejeitar o que não convém ao cristão e abraçar tudo o que é digno desse nome. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Primeira Leitura (Amós 7,12-15)
Leitura da Profecia de Amós.
7 12 Amasias disse a Amós: "Vai-te daqui, vidente, vai para a terra de Judá e ganha lá o teu pão, profetizando.
13 Mas não continues a profetizar em Betel, porque aqui é o santuário do rei, uma residência real".
14 Amós respondeu a Amasias: "Eu não sou profeta nem filho de profeta. Sou pastor e cultivador de sicômoros.
15 O Senhor tomou-me de detrás do meu rebanho e disse-me: ´Vai e profetiza contra o meu povo de Israel´".
- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.
Salmo responsorial 84/85
Mostrai-nos, ó Senhor, vossa bondade
e a vossa salvação nos concedei!
Quero ouvir o que o Senhor irá falar:
é a paz que ele vai anunciar.
Está perto a salvação dos que o temem,
e a glória habitará em nossa terra.
A verdade e o amor se encontrarão,
a justiça e a paz se abraçarão;
da terra brotará a fidelidade,
e a justiça olhará dos altos céus.
O Senhor nos dará tudo o que é bom,
e a nossa terra nos dará suas colheitas;
a justiça andará na sua frente
e salvação há de seguir os passos seus.
Segunda Leitura (Efésios 1,3-14 ou 3-10)
Leitura da carta de São Paulo aos Efésios.
1 3 Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que do alto do céu nos abençoou com toda a bênção espiritual em Cristo,
4 e nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, diante de seus olhos.
5 No seu amor nos predestinou para sermos adotados como filhos seus por Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua livre vontade,
6 para fazer resplandecer a sua maravilhosa graça, que nos foi concedida por ele no Bem-amado.
7 Nesse Filho, pelo seu sangue, temos a Redenção, a remissão dos pecados, segundo as riquezas da sua graça
8 que derramou profusamente sobre nós, em torrentes de sabedoria e de prudência.
9 Ele nos manifestou o misterioso desígnio de sua vontade, que em sua benevolência formara desde sempre,
10 para realizá-lo na plenitude dos tempos - desígnio de reunir em Cristo todas as coisas, as que estão nos céus e as que estão na terra.
11 Nele é que fomos escolhidos, predestinados segundo o desígnio daquele que tudo realiza por um ato deliberado de sua vontade,
12 para servirmos à celebração de sua glória, nós que desde o começo voltamos nossas esperanças para Cristo.
13 Nele também vós, depois de terdes ouvido a palavra da verdade, o Evangelho de vossa salvação no qual tendes crido, fostes selados com o Espírito Santo que fora prometido,
14 que é o penhor da nossa herança, enquanto esperamos a completa redenção daqueles que Deus adquiriu para o louvor da sua glória.
- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.
Aclamação do Evangelho
Aleluia, aleluia, aleluia.
Que o Pai do Senhor Jesus Cristo nos dê do saber o Espírito; conheçamos, assim, a esperança à qual nos chamou como herança (Ef 1,17s).

EVANGELHO (Marcos 6,7-13)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.
6 7 Então, Jesus chamou os Doze e começou a enviá-los, dois a dois; e deu-lhes poder sobre os espíritos imundos.
8 Ordenou-lhes que não levassem coisa alguma para o caminho, senão somente um bordão; nem pão, nem mochila, nem dinheiro no cinto;
9 como calçado, unicamente sandálias, e que se não revestissem de duas túnicas.
10 E disse-lhes: "Em qualquer casa em que entrardes, ficai nela, até vos retirardes dali.
11 Se em algum lugar não vos receberem nem vos escutarem, saí dali e sacudi o pó dos vossos pés em testemunho contra ele".
12 Eles partiram e pregaram a penitência.
13 Expeliam numerosos demônios, ungiam com óleo a muitos enfermos e os curavam.
- Palavra da Salvação.
- Glória a Vós, Senhor!
HOMILIA - CREIO - PRECES
(Ver abaixo ao final desta liturgia 3 sugestões de Homilia para este domingo)
Sobre as oferendas
Acolhei, ó Deus, as oferendas da vossa Igreja em oração e fazei crescer em santidade os fiéis que participam deste sacrifício. Por Cristo, nosso Senhor.
Antífona da comunhão: Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele, diz o Senhor (Jo 6,56).
Depois da comunhão
Alimentados pela vossa eucaristia, nós vos pedimos, ó Deus, que cresça em nós a vossa salvação cada vez que celebramos este mistério. Por Cristo, nosso Senhor.
FORMAÇÃO LITÚRGICA
Apresentação dos dons
A apresentação dos dons, também conhecida por muitos como "ofertório", dá início na Missa ao momento da liturgia eucarística. Após ter sido convenientemente nutrida com as lições da Sagrada Escritura e com a explicação que a seguiu, e ter-se dirigido ao Senhor na Oração dos Fiéis, a comunidade cristã prepara-se agora para ser alimentada com o Corpo e o Sangue de Cristo. Antes, porém, precisa arrumar a mesa eucarística, receber e dispor sobre ela os dons e, em seguida, dar graças sobre o pão e o vinho, partir o pão e distribuí-lo aos participantes. O Concílio Vaticano II, devendo reorganizar o rito de apresentação dos dons segundo o espírito da primitiva Igreja, esforçou-se por deixar claro que só no momento da prece eucarística se dá a verdadeira oferta eclesial. Conservou-se, assim, a procissão dos fiéis, que levam dons em direção do altar, e inseriu uma oração utilizada no mundo hebraico para a bênção do pão e do vinho: "Bendito sejais, Senhor, Deus do universo, pelo pão (vinho) que recebemos de vossa bondade, fruto da terra (da videira) e do trabalho humano, que agora vos apresentamos e para nós se vai tornar pão da vida (vinho da salvação)". Tal oração, bela e expressiva, recitada quando o presidente apresenta a Deus as oferendas, mostra que estas, fruto da terra e da fadiga humana, se orientam na Eucaristia a um destino salvífico. Geralmente falamos que este momento se chama ofertório, no entanto, é mais correto denominá-lo de "apresentação dos dons".
Deus recebe o dízimo que oferecemos a Ele?
Sim, Deus recebe o dízimo através da comunidade. Tudo pertence a Ele. Ele é o dono; nós, os usuários. Ele não precisa de nada para Ele, mas precisa para a Sua comunidade (Igreja). Todo dízimo oferecido à comunidade é dízimo oferecido a Deus, que os agentes da Pastoral do Dízimo o utilizam para amenizar o sofrimento dos irmãos e irmãs mais carentes da comunidade. Faça a doação do seu dízimo e participe também das atividades da pastoral ajudando os mais necessitados.
TEXTOS BÍBLICOS PARA A SEMANA:

2ª Br - Zc 2,14-17; (Sl) Lc 1,46-55; Mt 12,46-50
3ª Vd - Is 7,1-9; Sl 47(48); Mt 11,20-24
4ª Vd - Is 10,5-7.13-16; Sl 93(94); Mt 11,25-27
5ª Vd - Is 26,7-9.12.16-19; Sl 101(102); Mt 11,28-30
6ª Vd - Is 38,1-6.21-22.7-8; Cânt.: Is 38,10-16; Mt 12,1-8
Sb Vd - Mq 2,1-5; Sl 9b(10); Mt 12,14-21
16ºDTC: Jr 23,1-6; Sl 22 (23),1-3a.3b-4.5.6 (R/.1.6a); Ef 2,13-18; Mc 6,30-34 (Urgência da missão)

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO
1. "A LIBERDADE DO DISCÍPULO"(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP
Li dia desses, em uma mensagem que alguém me enviou, a história de alguns jovens que se aventuraram em escalar uma alta montanha onde a caminhada seria extremamente difícil e cansativa, um deles, preparou seus apetrechos, no que foi censurado pelo outro, que tinha maior experiência, mas teimosamente insistiu em levar tudo o que julgara necessário, em sua caminhada até o cume. Não é preciso dizer que na metade do caminho, ele teve que desfazer-se de algumas coisas e se em outra parada, não descartasse mais da metade dos objetos que levava na mochila, não conseguiria chegar.
Tivemos em Votorantim um grande escritor chamado João Kruguer, cuja memória está preservada em nosso museu, ele tinha uma máxima que sempre norteou sua vida “Somente o necessário é necessário”. Esse pensamento por si só, desmonta a estrutura do consumismo, que vai esvaziando o homem nos dias de hoje, de valores importantes, convencendo-o de que a felicidade está reservada aos que podem consumir. Por aí dá para perceber como o ensinamento do santo evangelho é atual e sempre o será.
Quem quiser ser discípulo e missionário do Senhor, como nos ensina a igreja a partir do Documento de Aparecida, certamente não poderá colocar sua segurança nos bens de consumo que o mundo globalizante nos oferece. Simplesmente porque aquilo que ele anuncia, é revolucionário e milhões de vezes mais valioso e do que qualquer outro valor que o pós-modernidade pode oferecer.
Na minha infância lembro-me do Sêo João, que vendia deliciosas cocadas com seu carrinho verde, que quando passava pela saudosa vila Albertina, era uma tentação para as crianças e um martírio para os pais, entretanto, um dia, o vi comprando doces no armazém do Sêo Alexandre dando-me a impressão de que ele mesmo não botava muita fé na qualidade dos doces caseiros que fabricava. Assim também, os missionários enviados por Cristo podem correr o risco de colocarem sua segurança em outros valores senão aqueles do evangelho que anunciam e nesse caso, a mensagem não teria crédito junto aos ouvintes. É está a preocupação de Jesus, que o missionário evangelizador, portador da maior de todas as riquezas, que é o evangelho, não se apegue a outros bens, valorizando-os muito mais do que o anúncio que fazem.
Por isso, como dizia o nosso escritor João Kruguer, tio do Padre Inácio, só se deve levar o necessário, um cajado, uma sandália e uma só túnica. O pão não lhe faltará pois a quem dá o verdadeiro alimento, nunca perecerá por falta alimento material, quanto a sacola, esta serve para acumular coisas, e hoje em dia, as de plástico são uma ameaça ao meio ambiente, dinheiro na cintura significa poder, mas o coração das pessoas nunca está a venda, pregador que “compra” seus ouvintes com outros recursos, ficará um dia falando sozinho. A casa oferece abrigo seguro, a amizade e o carinho das pessoas que nos acolhem, conforto e alimentação, entretanto, isso não poderá deter o discípulo de seguir seu caminho, mas também não deve ele sentir-se preso as pessoas afetivamente, a ponto de não lhes dizer a verdade que precisa ser anunciada, para o missionário não é a amizade das pessoas ou o que elas oferecem, que é o mais importante, mas sim aquilo que eles anunciam.
Por outro lado, a história de se bater a poeira dos pés, como testemunho contra os que não acolheram o discípulo e nem aceitaram ouvir a Boa Nova, me faz lembrar mais uma vez do marketing dos produtos que nos são oferecidos, uma vez me desgostei com uma determinada seguradora de veículos, que agiu de má fé na prestação de seus serviços, lembro-me que na empresa onde trabalho, certo dia essa seguradora foi fazer sua propaganda entregando adesivos na hora da saída, que eu educadamente recusei, como é que vou aceitar uma propaganda de uma empresa que me decepcionou?
Há pessoas que nesta vida recusam acolher o evangelizador porque não aceitam a palavra de Deus, mas depois procuram a igreja nas horas de aperto, para receberem algum sacramento, ou pedirem oração, é muito estranho que, não tendo nenhum vínculo, e tendo recusado a Palavra libertadora e vivificadora, ainda pensem que a Igreja tenha que lhes dar algo, quando precisam. Jesus é muito claro quanto a isso: nenhum vínculo deve haver entre essas pessoas e o evangelho, deve o evangelizador respeitar o direito que as pessoas têm, de recusar a Palavra, e que não haja da parte desses, nenhuma insistência, mas que se rompa totalmente, isso é, bater o pé, nenhuma poeirinha deve ficar, o Reino de Deus e o anúncio do evangelho, a gente aceita por inteiro, é tudo ou nada!
Muita gente quer um cristianismo fragmentado, aceitando-se apenas aquilo que lhe convém. E no versículo final algo que chama a nossa atenção, os doze partiram em missão, evangelizar, portanto, é missão de toda igreja, e a conversão é a primeira abertura à palavra de Deus, quem não aceitar esse cristianismo radical que requer uma mudança de vida, nunca terá forças para expulsar de sua vida as forças demoníacas que se opõe aos princípios cristãos, permanecerá na doença do pecado, recusando a santa unção do Espírito Santo, porque no fundo não crê na cura da Salvação que Jesus oferece. (15º. Domingo do Tempo Comum – Mc 6, 7-13)
José da Cruz é Diácono da
Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP
E-mail  cruzsm@uol.com.br
2.A missão exige despojamento
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por José Raimundo Oliva - e disponibilizado no Portal Paulinas)
A narrativa do envio dos Doze encontra-se nos três evangelhos sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas), com algumas variantes peculiares a cada evangelista. Marcos já registrara que Jesus constituíra os Doze para que ficassem com ele, para enviá-los a pregar (Mc 3,14).
Depois de um tempo de convívio, conhecimento e experiência comum de vida, Jesus, agora, os envia integrando-os em sua própria missão. Marcos destaca que os discípulos foram enviados dois a dois. O chamado dos discípulos, no início do ministério de Jesus, também fora de dois em dois. Na missão prevalece a dimensão da parceria, do diálogo e da solidariedade, na corresponsabilidade, sem disputas de liderança.
Marcos não mostra um maior interesse quanto ao desenvolvimento e sucesso da missão a que os Doze foram enviados, dedicando a isto apenas alguns versículos (6,12s.30). Ele consagra seu texto às instruções de Jesus. O seu interesse maior é destacar a metodologia a ser assumida, que serve de paradigma para as comunidades em continuidade à missão de Jesus e de seus discípulos.
O despojamento proposto é essencial à missão. A pobreza deve ser assumida, não como ostentação de virtude, mas como abandono real nas mãos de Deus, confiantes na bondade e na hospitalidade daqueles que encontrarem pelo caminho. O que for necessário para a caminhada deve ser levado pelos discípulos, por exemplo, as sandálias e o cajado (em Mateus eles estão proibidos, e Lucas os omite). A casa é a base da missão. Aquelas em que os discípulos forem recebidos podem ser novos centros de missão, formando uma rede missionária.
A proclamação à conversão é ousada e contundente, como testemunhou o profeta Amós, denunciando uma religião a serviço do poder, tendo seu santuário como dependência do palácio real (primeira leitura). No mesmo estilo foi erigido o Templo de Jerusalém, como anexo do palácio de Salomão, no qual eram acumuladas imensas riquezas. Jesus, no seu tempo, o denunciará como sendo covil de ladrões.
Na carta aos Efésios (segunda leitura), que na tradição cristã havia sido atribuída a Paulo, é destacada a redenção operada por Cristo, na perspectiva sacrifical característica das comunidades primitivas vinculadas a Jerusalém. Porém, na perspectiva da simplicidade da encarnação, já se tem a revelação do imenso amor de Deus, Pai e Mãe. Pela vida de Jesus de Nazaré, Filho de Deus e filho de Maria, em seus anos de convívio amoroso com seus discípulos e as multidões, Deus revelou a sua escolha a todos os homens e mulheres para participarem de sua Vida divina e eterna, na prática do amor, seguindo o caminho de Jesus.
Oração
Pai, ajuda-me a superar toda tentação de acomodar-me, pois, como apóstolo do teu Reino, tenho de estar, continuamente, a caminho.
3. EVANGELIZAR É PRECISO!(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total a cada mês).
Os evangelistas mencionam, com freqüência, o ensino de Jesus. No Evangelho de Marcos, este ensino não é tanto com palavras, mas sim com o próprio testemunho de vida de Jesus. Com seu "ensino", Jesus prepara os discípulos (Mc 6,6). Em seguida, envia-os. Testemunho e envio estão intimamente ligados. E, após o envio, os discípulos "saíram para proclamar".
Contudo, a proclamação é acompanhada de gestos concretos de libertação. Marcos destaca o poder sobre os espíritos impuros. É o espírito da sinagoga que dominava um homem, tendo sido este libertado por Jesus (Mc 1,23).
Jesus, progressivamente, inclui os discípulos no seu ministério. O despojamento deles não tem o caráter de um ascetismo heróico. Significa o testemunho da confiança na bondade humana. É um ousado testemunho que, certamente, toca os corações. A segurança vem da confiança no amor, e não no poder da riqueza.
O testemunho de Jesus não é o de austeridade pela austeridade, mas sim o do desprendimento e da confiança em Deus e no próximo: os discípulos devem se entregar, com confiança, aos cuidados daqueles que encontrarem no caminho. Confiam na acolhida e na capacidade de partilha de cada um. Este ato de entrega e confiança liberta nas pessoas seu potencial de acolhida, solidariedade e amor.
O missionário, de maneira profética, denuncia a opressão e a violência dos poderosos, como o profeta Amós (primeira leitura), e anuncia a projeto de Deus de nos adotar como filhos, nos comunicando sua vida através da encarnação de seu Filho, Jesus (segunda leitura).
A ação missionária, restaurando nas pessoas sua dignidade e capacidade de amar, as liberta da opressão, dando-lhes sentido à vida.
fonte:NPD Brasil/camocim belo mar blog

POLICIAL SALVA FILHOTE ÓRFÃO DE VEADO APOS ACIDENTE EM ESTRADA NOS EUA.



Veadinho sobreviveu após caminhão atropelar e matar sua mãe.
Ele ficou desidratado e teve ferimentos leves, mas está em recuperação.

Um policial do estado de Washington salvou um filhote de veado após atender a uma ocorrência em que um caminhão matou a mãe do animal.
O incidente ocorreu na rodovia interestadual 5, segundo a imprensa local.
O patrulheiro Scott Brown chegou à cena do crime na manhã de terça-feira (10). Ele disse que havia vários cervos no local, mas o filhote correu em sua direção.
Seu colega Mark Francis disse que o veadinho correu em direção ao policial e começou a "miar".
Sem saber o que fazer, Brown pegou o filhote, levou à radiopatrulha e o levou para um centro de vida selvagem de Arlington.
O patrulheiro Scott Brown e seu novo amigo (Foto: Reprodução)O patrulheiro Scott Brown e seu novo amigo (Foto: Reprodução)
Suzanne West, diretora do centro, disse que o cervo estava bastante desidratado, mas está se recuperando.
Ele teve ferimentos leves ao ser atingido pelo mesmo caminhão que matou sua provável mãe.
West disse que ele e o veadinho agora são "bons amigos".
fonte:G1 SP/camocim belo mar blog