sexta-feira, 9 de maio de 2014

MINISTRO DA SAÚDE ANUNCIA R$ 75 MILHÕES PARA UNIDADES DO CEARÁ.


Serão R$ 50 milhões para Hospital Geral de Fortaleza e Doutor José Frota.
Mais R$ 25 milhões para as UPAs do interior do estado.

Do G1 CE

Ministro Arthur Chioro em visita a Fortaleza (Foto: Gioras Xerez/G1)Ministro Arthur Chioro liberou recursos para duas
unidades de Fortaleza (Foto: Gioras Xerez/G1)
O ministro da Saúde, Arthur Chioro, anunciou na manhã desta sexta-feira (9), durante visita a Fortaleza, recursos na ordem de R$ 75 milhões para a saúde no Ceará. Os recursos fazem parte do programa SOS Emergências, uma estratégia do Governo Federal que visa melhorar o atendimento nas principais unidades de urgência do país.
Serão R$ 50 milhões para o Hospital Geral deFortaleza (HGF) e para o Instituto Doutor José Frota (IJF), e R$ 25 milhões  para as  Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) no interior do estado.
“Não só aqui no HGF, como também no Frotão, o Ministério da Saúde está aportando a quantia de R$ 50 milhões para equipamentos, manutenção dos serviços, para qualificação, dentre outros serviços. Estamos liberando também R$ 25 milhões  para as UPAs no interior do estado. É um conjunto de investimentos que estão sendo feitos pelo Governo Federal em parceria com o estado objetivando o melhor atendimento ao povo cearense”, afirmou.

FÓSSIL INÉDITA DE CAMARÃO É ACHADA NA BACIA DO ARARIPE.

CARIRI

O acervo raro, único exemplar em todo o mundo, é do período Cretáceo e tem mais de 110 milhões de anos


Image-0-Artigo-1608388-1
Imagem ampliada da menor espécime fossilizada já encontrada no mundo
Image-1-Artigo-1608388-1
Paleontólogo Álamo Feitosa, professor da Urca, que coordena as pesquisas na região do Cariri. Ele é um dos coautores do artigo científico sobre a descoberta
FOTOS: ELIZÂNGELA SANTOS
Jardim. Mais um exemplar inédito de fóssil foi encontrado na Bacia Sedimentar do Araripe. Trata-se da menor espécime de camarão já vista no Brasil, o Araripenaeus timidus. Nesta sexta-feira, às 9 horas, o achado estará sendo apresentado para a imprensa. A foto do camarão minúsculo será capa da próxima edição dos Anais da Academia Brasileira de Ciências, no Rio de Janeiro, para todo o mundo científico. O fóssil raro, do período Cretáceo e com mais de 110 milhões de anos, foi encontrado no Museu de História Natural Barra de Jardim, na cidade de Jardim.
O achado foi feito pela equipe do professor Álamo Feitosa, que coordena pesquisa na área, além de estar à frente do Laboratório de Paleontologia da Universidade Regional do Cariri (Urca). O material foi visto no local no início de 2013 e passou a ser descrito durante o ano passado pelos pesquisadores Álamo, da Urca, e William Santana, da Universidade do Sagrado Coração, em Bauru, no Estado de São Paulo. Juntos, os dois pesquisadores escreveram o artigo que será publicado na próxima edição da revista, até junho deste ano.
O camarão fóssil Araripenaeus timidus é o primeiro da espécime descrito para o Brasil. O material do Cretáceo inferior (Albiano) foi coletado na localidade de Sobradinho, em Jardim, Sul do Estado do Ceará, e é pertence à Formação Romualdo. Outro fóssil inédito de espécime de camarão foi encontrado no ano passado, o Kellnerius jamacaruensis, na mesma localidade na Bacia do Araripe.

SÓ PRA QUEM É DE FERRO.

ANIVERSÁRIO

Ferroviário chega aos 81 anos sonhando em recolocar a máquina nos trilhos, tal como estava nos tempos da Rffsa


aniversario do ferroviario
Time da Vila Elzir Cabral tenta retomar seus tempos de glória após mais de oito décadas de existência. Para isso, o Tubarão da Barra do Ceará deverá passar por reformulações na direção do clube
FOTO: WALESKA SANTIAGO (13/04/2012)
Image-1-Artigo-1608801-1
Bicampeonato de 1994/95 ainda permanece vivo na memória dos corais
FOTO: KIKO SILVA
Rebaixado pela primeira vez em sua existência para a Série B do Campeonato Cearense, o Ferroviário encontra basicamente em sua história os maiores motivos para comemorar os seus 81 anos de fundação, completados hoje.
O Tubarão iniciou até bem o ano, realizando a maior ação de marketing dos clubes locais, que foi a contratação do atacante Iarley, ídolo de várias torcidas e bicampeão mundial de clubes.
Estreou ainda com uma goleada de 7 a 2 no Crato e julgou-se que tudo iria dar certo. Entretanto, a sequência dos jogos, em forma de maratona, solapou os sonhos corais de chegarem ao título. Por fim, o time ficou em sétimo lugar, sendo rebaixado em campo. Agora, tenta na Justiça Desportiva, encontrar brechas em falhas de outros rivais para que possa voltar à Série A do Estadual em 2015.
Deserdado
Mesmo com 81 anos, o Ferroviário vive como que deserdado. Isso porque não existe mais o seu grande patrocinador, a Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima (Rffsa).
A Instituição era uma sociedade de economia mista, integrante da Administração indireta do Governo Federal, vinculada ao Ministério dos Transportes. Como o Ferrão se originou dos times dos funcionários da Estrada de Ferro, desde sua raiz a empresa fora o seu cordão umbilical. Seus presidentes normalmente eram engenheiros graduados da Rffsa, que já nutriam pelo clube um amor natural.
Mediante à conclusão de estudos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), foram transferidos para o setor privado os serviços ferroviários de carga. Essa desestatização ocorreu no período de 1996/1998.
O Ferrão ainda foi bicampeão nos anos 1994 e 1995, nos estertores do patrocínio, que sumiria de vez no biênio seguinte.
"Eu diria que o Ferroviário perdeu pai e mãe quando ficou sem esse patrocínio da Estrada de Ferro", lembra o ex-presidente coral, Rui do Ceará, campeão cearense de 1968 e considerado um dos maiores presidentes que o clube já teve.
Rui lembra que o Ferrão foi o último campeão cearense invicto desde 1968. "Nós, engenheiros da época, notávamos que, nos anos em que o Ferroviário era campeão, o índice de produtividade do transporte de carga aumentava", completa Rui do Ceará, eternamente lembrado pela família coral, mais ou menos como Valdemar Caracas, fundador do clube, já falecido.
Livro revelador
O ex-presidente coral, Evandro Ferreira, lembra o livro "Quando o Futebol Andava de Trem", que cita que os clubes de origem ferroviária foram perdendo a força e até se acabando, quando a Rffsa foi diminuindo o patrocínio. Conforme o livro, existiam centenas de clubes de origem ferroviária, mas que foram se extinguindo. Equipes que até não têm o nome de Ferroviário, têm sua origem na rede ferroviária.

CONFIRMADO,CORPO ENCONTRADO EM BITUPITÁ BARROQUINHA-CE ERA DO GAROTO HUMBERTO MÁDSON.



Nesta quinta-feira, 08, por volta das 8h30 da manhã, três pescadores encontraram há 5.000 milhas da praia de Bitupitá o corpo do garoto camocinense Humberto Mádson, de 6 anos. Os pescadores avistaram um corpo boiando, foram verificar e encontraram o corpo da criança, em seguida enrolaram em um saco plástico e levaram para a beira da praia. O corpo, que ainda estava de blusa e bermuda, foi reconhecido pelos familiares. 
O garoto Humberto Mádson estava desaparecido desde a manhã de Domingo, dia 4, onde se afogou na praia das balsas em Camocim. Policiais militares estiveram na praia de Bitupitá resguardando o local. A Perícia Forense foi acionada e compareceu ao local, levando o corpo do garoto ao IML da cidade de Sobral.
O caso do garoto Humberto Mádson repercutiu em Camocim e em toda a região. Os familiares ainda alimentavam a esperança de encontrá-lo  vivo, embora soubessem que eram remotas as chances.