domingo, 18 de maio de 2014

REDAÇÃO EM CONCURSOS E VESTIBULARES.


A redação nos concursos e vestibulares exige do candidato algumas competências que devem ser paulatinamente aprimoradas.

Exigem-se competências e habilidades na redação de concursos e vestibulares 
Exigem-se competências e habilidades na redação de concursos e vestibulares

De repente, não mais que de repente, você se vê perguntando acerca da relevância de realizar umaprodução textual em concursos públicos ou em vestibulares, já que o que irá desenvolver não se restringe à escrita, em específico, ou seja: “se estou concorrendo a uma vaga para outra área, será que minha função será somente redigir o tempo todo?”. O fato é que, independentemente de qualquer que seja a atuação, torna-se necessário dispormos da habilidade de escrevermos e falarmos de modo adequado à situação comunicativa, por isso a importância. Desse modo, tal questionamento parece ganhar ainda mais vivacidade quando se conscientiza de que essa etapa pode ser eliminatória... talvez, não se sabe.
No entanto, a posição no que se refere a esse aspecto, até mesmo para deixá-lo(a) um pouco mais tranquilo(a) e mais seguro de si mesmo(a), é que, seja numa universidade ou em outra, o que realmente espera a comissão que compõe a banca corretora é que você tenha a habilidade de demonstrar as competências de que dispõe acerca do uso da língua, articulando as ideias de forma precisa e expressando seu discurso de acordo com as intenções comunicativas a que se propõe. É claro que essas habilidades se restringem ao conhecimento, também, dos pressupostos que norteiam todo esse sistema, tendo em vista que ele se encontra submetido a normas, a padrões convencionais.
Partindo então dessa ideia, usuário(a) candidato(a), motivos não há para fazer de tal ocorrência um verdadeiro entrave, pois se se trata de algo comum, de algo que a maioria terá de enfrentar, não parece nos ocorrer como alternativa senão familiarizarmos cada vez mais com essa ideia. Assim, diante dessa realidade, bem como diante da necessidade de um aprimoramento das competências já citadas, temos o privilégio, até mesmo porque nos sentimos responsáveis (por que não?), de conduzi-lo(a) a caminhos que favoreçam a conquista de tais objetivos, trazendo informações, detalhamentos sobre a forma como se estruturam cada um dos muitos gêneros textuais existentes, haja vista a recorrência deles se conceber como tamanha, nos processos de que falamos.    

LITERATURA GREGA.

imagens cedida pelo google

Primeira a surgir na Europa, a literatura grega lançou, no curso de sua evolução, os alicerces de quase todos os gêneros literários. Assimilados pelos romanos, os grandes escritores gregos da antiguidade, junto com os clássicos latinos, passaram a ser considerados modelos universais, e deles provém certamente toda a tradição literária ocidental.
Distribuída em três grandes períodos -- o da antiguidade, o bizantino e o moderno -- a literatura grega abordou, no teatro e na poesia, na filosofia e no texto religioso, todos os grandes mitos e temas cruciais da humanidade. Serviu de referência não apenas à literatura universal como a atividades e correntes científicas e artísticas modernas, como o cinema, a psicanálise e a educação.

Antiguidade
A literatura grega da antiguidade é a que se desenvolveu desde que começou a difundir-se o emprego da escrita, por volta do século VIII a.C. Período da maior importância para a história das letras ocidentais, divide-se nas épocas arcaica (até o fim do século VI a.C.), clássica (séculos V e IV a.C.), e helenística e greco-romana (a partir do século III a.C.).
Época arcaica. Antes mesmo de utilizarem a escrita para fins literários, os gregos já faziam poesia para ser cantada ou recitada. Seus temas eram os mitos, em parte lendários, baseados na memória difusa de eventos históricos, além de um pouco de folclore e de especulação religiosa primitiva. Os mitos, porém, não se vinculavam a qualquer dogma religioso e, embora muitos fossem deuses ou grandes heróis mortais, não eram autoritários e podiam ter seu perfil alterado por um poeta que desejasse expressar novos conceitos.
Assim, bem cedo o pensamento grego começou a progredir, na medida em que os poetas reelaboravam suas fontes. A esse estágio inicial, denominado época arcaica, pertencem os épicos atribuídos a Homero, a Ilíada e a Odisséia, que recontam histórias entremeadas de mitos da época micênica. A poesia didática de Hesíodo (c. 700 a.C.), provavelmente posterior aos épicos de Homero, embora com diferentes tema e tratamento, deu continuidade à tradição épica.

Os vários tipos de poesia lírica grega surgiram no período arcaico entre os poetas das ilhas do mar Egeu e da Jônia, no litoral da Anatólia. Arquíloco de Paros, do século VII a.C., foi o primeiro poeta grego a usar a elegia de uma forma mais pessoal. Suas formas e padrões métricos foram imitados por uma sucessão de poetas jônicos. No começo do século VI, Alceu e Safo criaram seus poemas no dialeto eólico da ilha de Lesbos e foram mais tarde adaptados por Horácio para a poesia latina. A eles se seguiu Anacreonte de Teos, na Jônia, que também compôs em dialeto jônico. A lírica coral, com acompanhamento musical, pertencia à tradição dórica.
A tragédia e a comédia se originaram na Grécia. Acredita-se que havia coros "trágicos" na Grécia dórica por volta de 600 a.C.. Também a comédia se originou na Grécia dórica e se desenvolveu na Ática.
Códigos legais surgidos no fim do século VII foram a primeira forma de prosa. Não se conhece autor de prosa anterior a Ferécides (c. 550 a.C.) de Siros, que escreveu sobre o começo do mundo. Mas o primeiro autor considerável, Hecateu de Mileto, escreveu sobre o passado mítico e a geografia do Mediterrâneo e terras próximas. Atribui-se a Esopo, personagem lendário de meados do século VI, a autoria das fábulas de sentido moral copiadas por escritores de épocas posteriores.

Época clássica. Quase todos os gêneros literários atingiram seu ponto máximo no período clássico, com as tragédias de Ésquilo, Sófocles e Eurípides, a comédia de Aristófanes e a lírica coral de Píndaro. O clássico também foi um período áureo para a retórica e a oratória, cujo estudo levantou questões sobre verdade e moralidade na argumentação, e, dessa maneira, era objeto de estudo tanto do filósofo quanto do advogado e do político. A prosa histórica grega atingiu a maturidade nesse período.
As obras de Platão e Aristóteles, que datam do século IV, são os mais importantes produtos da cultura grega na história intelectual do Ocidente. Esses pensadores firmaram as bases da filosofia ocidental e determinaram a evolução do pensamento europeu ao longo de séculos.

Épocas helenística e greco-romana. No imenso império de Alexandre o Grande, macedônios e gregos compunham a classe dominante e, assim, o grego tornou-se a língua da administração, um novo dialeto baseado em parte no ático e chamado koine, ou língua comum. Em todos os lugares, a cidade-estado estava em declínio. A criação artística passou ao patrocínio privado e, exceto pela comédia ateniense, as composições visavam um público pequeno e seleto, apreciador da erudição e da sutileza.
O período helenístico foi do fim do século IV ao fim do século I a.C. Pelos três séculos seguintes, até Constantinopla tornar-se a capital do império bizantino, os escritores gregos tinham consciência de viverem num mundo do qual Roma era o centro.

Gêneros 
Poesia épica. No início da literatura grega se situam duas grandes epopéias, a Ilíada e a Odisséia. Algumas fontes desses poemas são da época micênica, talvez de 1500 a.C., mas a obra escrita, atribuída a Homero, é datada de cerca do século VIII a.C. Ilíada e Odisséia são os primeiros exemplos de poema épico -- na antiguidade, era um longo poema narrativo, de estilo nobre, que celebrava conquistas heróicas.
Apesar de serem os poemas europeus mais antigos, Ilíada e Odisséia não podem ser considerados, de nenhum ponto de vista, primitivos. Mais que o começo, eles marcam o ponto mais alto dessa forma literária. Eram essencialmente poemas transmitidos de forma oral, desenvolvidos e aumentados ao longo de um extenso período de tempo, sobre cujo tema vários e sucessivos poetas anônimos livremente improvisaram. No mundo antigo, ocupavam uma classe especial entre os poemas épicos. De fato, conservam-se restos de um ciclo épico, com numerosos poemas que complementam a história das guerras de Tebas e Tróia e outros mitos.

A poesia didática não era tida pelos gregos como uma forma diferente da épica, mas o mundo do poeta Hesíodo, que viveu na Beócia por volta de 700 a.C., era completamente diferente do de Homero. Além de Os trabalhos e os dias, que descreve a vida de um simples agricultor beócio atormentado pela seca e pela opressão da aristocracia, deixou também o poema Teogonia, que narra a genealogia dos deuses e dos mitos associados à criação do universo, com clara influência da mitologia do Oriente Médio.
Poesia lírica. A palavra "lírica" abrange muitos tipos de poemas. Aqueles cantados por indivíduos ou coros acompanhados de lira, ou às vezes flauta, eram chamados mélicos. As elegias -- nas quais o hexâmetro épico, ou verso de seis sílabas, se alternava com um verso mais curto -- eram associadas com a lamentação e acompanhadas de flauta.

Mas os poemas também eram usados para poesia monódica, falada e cantada. Os poemas jâmbicos (de versos jâmbicos, ou unidades métricas de quatro sílabas longas e breves alternadas), forma versificada da sátira, em geral não eram cantados. A lírica coral, geralmente acompanhada de lira e flauta, não usava os versos ou estrofes tradicionais; seu metro era criado para cada poema e nunca utilizado novamente da mesma forma. Além de Alcmeão de Esparta e Estesícoro, destacam-se no gênero Simônides de Ceos, Píndaro e, já no declínio do gênero, Baquílides (século V a.C.).
Tragédia e comédia. Em suas duas vertentes -- tragédia e comédia -- chegou nessa época à plenitude estética o teatro grego. Suas origens permanecem obscuras, mas parece claro que ambas foram tiradas dos rituais religiosos em honra do deus Dioniso.

O principal interesse de Ésquilo, cujas tragédias são geralmente agrupadas em trilogias, não é a ação dramática, nem a composição dos personagens, mas a subordinação da vida humana aos insondáveis desígnios dos deuses. Com Sófocles, seu sucessor, a tragédia alcançou ainda maior perfeição formal. O tema central de suas grandes obras, como Édipo rei, Electra e Antígona, é a exaltação da grandeza do homem que, embora submetido ao destino e à vontade dos deuses, mantém a integridade moral e cumpre seu dever.
Eurípides, contemporâneo dos sofistas, pertenceu a uma fase de questionamento de todas as crenças tradicionais. Ainda que partisse do mito, como os trágicos anteriores, seu interesse centrou-se no estudo da paixão humana -- Medéia, Hipólito -- e na crítica às idéias convencionais sobre religião, política e moral. Depois de Eurípides, que morreu em 406, a tragédia deixou de ser cultivada.

Paralelamente à tragédia, desenvolveu-se a comédia, que era sua contrapartida. Surgiu nas cidades dóricas, onde se destacou a figura de Epicarmo, mas adquiriu forma em Atenas, na primeira metade do século V. Na época inicial (comédia antiga) foi fundamentalmente sátira social e política. Aristófanes, um dos maiores gênios cômicos da literatura universal, ironizou, em obras como As rãs e As nuvens, as figuras políticas e intelectuais de seu tempo. A fase intermediária da comédia, na qual sobressaíram Antífanes e Aléxis, centrou-se na sátira e na paródia. Na comédia nova, cujo principal representante foi Menandro, no final do século IV, o tema principal foram os conflitos domésticos.

Prosa. O primeiro grande historiador foi Heródoto de Halicarnasso, também grande geógrafo e antropólogo. Seu tema central é o confronto entre Ásia e Europa, que culminou com as guerras greco-pérsicas. Não menos importante foi Tucídides, que viveu na segunda metade do século V e escreveu a História da guerra do Peloponeso. Tucídides, diferentemente de Heródoto, exclui por completo a intervenção divina nos acontecimentos em que os homens intervêm. Costuma-se considerá-lo o verdadeiro criador da história como ciência, pelo rigor documental, sentido crítico e objetividade narrativa.

Sua obra, que ficou inconclusa, foi completada por Xenofonte, que também escreveu Anábase, relato da retirada de dez mil gregos, depois do assassínio de seus líderes pelos persas de Ciro, desde as proximidades da Babilônia até a costa do mar Negro. Depois desses autores, o gênero histórico declinou até transformar-se em pouco mais que um exercício de retórica.
Retórica e oratória. Em poucas sociedades terá sido mais valorizado o poder da oratória do que na Grécia. Foi sobretudo o surgimento das formas democráticas de governo que incentivou o estudo e o ensino da arte da persuasão.

Entre os oradores gregos do século IV, merecem particular atenção: Isócrates, que se distinguiu pelo cuidado do estilo e defendeu um ideal pan-helênico que pusesse fim às guerras internas entre os gregos, e sobretudo Demóstenes, o maior dos oradores gregos da antiguidade. Muito ativo na política, Demóstenes personificou a reação do velho ideal da pólis independente, frente ao nascente pan-helenismo. Depois de sua morte, com o declínio da democracia, a oratória entrou em decadência.
Prosa filosófica. A prosa como um veículo para a filosofia começou a ser desenvolvida a partir do século VI a.C. Entre os primeiros filósofos se incluem Tales de Mileto, Anaximandro, Demócrito e Heráclito. A prosa filosófica foi a principal realização literária da época, muito influenciada por Sócrates (que não possui obra escrita) e seu método característico de ensino, por meio de perguntas e respostas, que evoluiu para o diálogo.
O discípulo mais célebre de Sócrates foi Platão, que começou a escrever pouco após a morte do mestre (399 a.C.) e, como escritor, deu forma insuperável a um novo gênero literário, o diálogo. Seu discípulo Aristóteles possuía um estilo admirado em seu tempo, mas suas obras conservadas são fundamentalmente didáticas e sem preocupação estilística.

Literatura bizantina A literatura bizantina pode ser definida, de maneira geral, como a literatura grega da Idade Média, tanto a que se produziu no território do império bizantino quanto fora de suas fronteiras.
No fim da antiguidade, vários gêneros clássicos gregos, como o teatro e a poesia lírica coral, já tinham há muito se tornado obsoletos, e toda a literatura grega exibia de alguma forma a linguagem e o estilo arcaizantes, perpetuados por um sistema conservador de educação em que a retórica era a matéria mais importante. Os doutores gregos da igreja, produtos dessa educação, compartilhavam os valores literários de seus contemporâneos pagãos. Conseqüentemente, a vasta e dominante literatura cristã dos séculos III ao VI, que criou uma síntese do pensamento helênico e cristão, foi em grande parte escrita numa língua que há muito tempo não era mais falada por todas as classes em sua vida cotidiana. A utilização de duas formas muito diferentes da mesma língua para propósitos diversos caracterizou a cultura bizantina durante um milênio. A relação entre as duas formas, porém, se modificou com o tempo.

O prestígio da língua literária classicizante manteve sua força até o fim do século VI, e apenas algumas histórias populares das vidas dos santos e crônicas escaparam de sua influência. Nos dois séculos e meio que se seguiram, quando a própria existência do império bizantino estava ameaçada, a vida urbana e a educação entraram em declínio, e com elas o uso da língua e do estilo classicizantes. Com a recuperação política dos séculos IX e X teve início um renascimento literário, no qual se fez uma tentativa consciente de recriar a cultura helênico-cristã do fim da antiguidade. Desprezou-se a língua popular e a hagiografia (biografias de santos) foi reescrita em língua e estilo arcaizantes. 

RÁDIO FM ASSEMBLEIA DE FORTALEZA-CE,LANÇA NOVO ESPECIAL SOBRE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA.

Rádio FM Assembleia lança novo especial sobre abolição da escravatura
A Rádio FM Assembleia (96,7 MHz) lança, nesta segunda-feira (19/05), mais uma reportagem especial com o tema “Porque o Ceará é a Terra da Luz”. A série vai ao ar até o dia 23 de maio, durante a programação da rádio. O lançamento será dentro do programa Narcélio Limaverde, que vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h.
A reportagem destaca os antecedentes da abolição da escravatura no Brasil, em 13 de maio de 1888. A segunda parte da série abordará o pioneirismo do Ceará, como primeira província a libertar os escravos, quatro anos antes do restante do País. O simbolismo do marco histórico motivou o jornalista e abolicionista José do Patrocínio a denominar o Estado de Terra da Luz.
Na terceira parte da produção, é discutida a importância simbólica de Redenção, no litoral leste do Estado, para a abolição da escravatura. A reportagem fala ainda da permanência de comunidades quilombolas no Ceará.

Participam da produção os deputados Professor Pinheiro (PT), Rachel Marques (PT), Eliane Novais (PSB), Lula Morais (PCdoB) e Professor Teodoro (PSD). Também fazem parte da série o reitor da Universidade Federal do Ceará, Jesualdo Farias; o presidente da Associação de Estudantes Africanos no Ceará, Adérito Moreno; o jornalista Paulo Tadeu; o coordenador especial de políticas públicas da igualdade racial do Estado, Ivaldo Paixão, entre outros entrevistados.

TCM DIVULGA TERMINAIS DE AUTOATENDIMENTO E CONSULTAS.


COMUNICAÇÃO



O Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará (TCM) coloca à disposição do público desta segunda-feira (19) um novo canal de relacionamento que se propõe a ampliar e facilitar a comunicação entre a instituição e a população cearense: é o telefone 162, que, com apenas três dígitos, é de fácil memorização.


O serviço será operacionalizado pela Ouvidoria do TCM para receber reclamações, sugestões, comunicações de irregularidades, críticas e até elogios. A ligação é gratuita para chamadas originadas de qualquer ponto do Ceará e devem ser realizadas com uso de telefones fixos, inclusive públicos.


O horário de funcionamento é de 8h às 12h e 13h às 17h, de segunda a sexta-feira. A Ouvidoria já possui outros meios de acesso disponíveis aos cidadãos, pelos números (85) 3218.1522, (85) 3218.2516 e (85) 3218.1303, atendimento presencial e e-mail, pelo endereço eletrônico ouvidoria@tcm.ce.gov.br. O diferencial do novo número, o tridígito 162, está na gratuidade, facilitando a agilidade no contato e conversação.

MOTO FURTADA EM BRASÍLIA-DF EM 2011 É RECUPERADA PELA POLÍCIA NO INTERIOR DO PIAUÍ.


O caso foi registrado na 13ª Delegacia Regional de Jaicós

Moto furtada em Brasília-DF
Moto furtada em Brasília-DF
Foto: Cidades na Net












O uso da tecnologia ajudou a Polícia Militar da 3ª Companhia a localizar uma motocicleta furtada. O caso aconteceu quando uma equipe de policiais realizava o trabalho ostensivo na cidade de Jaicós.
Segundo narrou o capitão Lindomar Félix, o veículo estava estacionado próximo a uma escola municipal quando os policiais realizaram a consulta através do aplicativo Sinesp Cidadão, que apontou a restrição de roubo.