sexta-feira, 13 de julho de 2012

JOVENS FICAM AINDA MAIS VULNERÁVEIS NAS FÉRIAS.


Com o tempo livre e a forte presença de turistas, crianças e adolescentes ficam mais expostos aos riscos

A alta estação turística, reiniciada neste mês, deverá gerar uma ocupação hoteleira de 85% na Capital cearense. Além dos hotéis, as pousadas, flats e apartamentos alugados por temporada ficam repletos de turistas. Com a cidade lotada, especialistas reconhecem que as crianças e adolescentes ficam mais vulneráveis à exploração sexual, principalmente, em pontos turísticos.



Todos os meses, conforme dados da Secretaria de Direitos Humanos de Fortaleza, são realizadas blitze em restaurantes e bares localizados em áreas consideradas vulneráveis à exploração de crianças e adolescentes FOTO: LUCAS DE MENEZES

Conforme dados do Centro de Referência Especializado em Assistência Social (Creas) da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS), no ano passado, o órgão recebeu 79 denúncias de exploração sexual. Destas, 32 foram na alta estação, em janeiro. Neste ano, o Creas já contabiliza 36 ligações, sendo que nove denúncias foram feitas no mês de janeiro.

Segundo dados da Secretaria de Direitos Humanos de Fortaleza (SDH), de janeiro a junho deste ano, foram atendidas dez crianças e adolescentes vítimas de exploração sexual na Rede Aquarela, programa que ampara crianças e adolescentes abusados ou explorados. No ano passado, foram 14.

Realidade
Entretanto, conforme a titular da Coordenadoria da Criança e do Adolescente da SDH, Elisabeth Amaral, os números não refletem a realidade, pois, de acordo com ela, cerca de 60% dos meninos e meninas não reconhecem que estão sendo explorados sexualmente.

"Acho que, durante os períodos de alta estação, as crianças e adolescentes que circulam pelas ruas da Capital ficam mais vulneráveis, pois há um volume maior de pessoas na cidade, e esses locais acabam sendo fonte de exploração sexual", destaca Elisabeth. Por isso, conforme ela, na tentativa de mudar esse cenário, a SDH faz blitze educativas em bares, restaurantes e áreas onde há um grande fluxo de pessoas.

Elisabeth Amaral classifica a exploração sexual como a forma mais cruel de escravidão contemporânea e, em contrapartida, ressalta que o turista não é o único, nem o principal, vilão nesta história. Segundo ela, as pessoas mais próximas às vítimas e moradores do próprio bairro também fazem parte dessa rede de exploradores. "Atualmente, uma área da cidade que nos preocupa bastante é o Grade Bom Jardim. Lá, estamos realizando blitze mensais e reuniões para alertar a comunidade sobre a situação", diz.

Para Regiana Ferreira Nogueira, coordenadora do Creas, o trabalho de combate à exploração sexual é realizado, constantemente, pelos 60 educadores sociais que fazem parte do órgão, pois a situação não acontece apenas no período da alta estação. "Há uma situação de vulnerabilidade maior nas férias, pois as crianças e adolescentes ficam desocupados e, portanto, mais expostos nas ruas, mas não há nada que comprove que são mais explorados", diz.

Cenário

Já o vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Ceará (ABIH-CE), Régis Medeiros, relembra dados de uma pesquisa apresentada na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Exploração Sexual, em Brasília, e diz que apenas 5% desse cenário estava atrelado ao turismo, outros 95% são realizadas nas estradas, nos bairros carentes da periferia ou no Interior. "A nossa intenção é zerar essa estatística. Para isso, aderimos a campanhas em parceria com a Polícia e os órgãos públicos. Esse tipo de crime é um tiro no pé do turismo e da hotelaria de qualquer Capital. Trabalhamos contra isso".

Régis Medeiros ressalta que há um setor do turismo que, muitas vezes, foge do controle dos órgãos públicos. São os turistas proprietários de flats e apartamentos, os quais se envolvem com a exploração sexual e não são proibidos de entrar com menores nas suas próprias residências. "O que acontece muito são homens que levam meninos e meninas para apartamentos particulares e muitos generalizam como hotel. Nós da ABIH não compactuamos com isso e não aceitamos em nossos hotéis turistas acompanhados de menores de idade", garante.

KARLA CAMILAREPÓRTER.
fonte:DN Oline/camocim belo mar blog 


ONÇA PARDA COMEÇA A SER PROCURADA NESTA QUINTA-FEIRA EM SÃO JORGE D'OSTE.



O animal foi responsável por atacar e matar uma idosa em São Jorge D´Oeste.
 
 
A Polícia Ambiental (Força Verde) começa nesta quinta-feira (12/07) a captura da Onça Parda que atacou e matou uma senhora de 86 anos em São Jorge D´Oeste no último dia 27 de junho, na comunidade de Linha Nova Santana. A vítima, Joana Luza Bordin, foi atacada enquanto procurava gravetos distante cerca de 300 metros de sua residência. Ela teve várias partes do corpo arrancadas pelo felino. 

Conforme declaração do subtenente José Carlos Dias, da Força Verde de Boa Vista da Aparecida, um alerta foi emitido nesta quarta-feira (11/07) para todo o sudoeste, com objetivo de encontrar a capturar o animal. A preocupação em tirar o felino da região de São Jorge D´Oeste surgiu depois que médicos veterinários e biólogos confirmaram realmente se tratar de uma onça parda.

Além da Força Verde, biólogos do Instituto Chico Mendes (ICMbio) e do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (IBAMA) vai atuar em São Jorge para capturar o animal e acalmar os moradores que ainda estão assustados e apreensivos. Moradores garantem que a onça que atacou e matou a idosa não é a única naquela região, outras habitam as matas.


Fonte: Redação NP Sudoeste com G1/camocim belo mar blog

OPERAÇÃO NA AMAZÔNIA PRENDE 26 PESSOAS E APRENDE 6 AVIÕES EM RR.



Ação combate o garimpo ilegal de ouro na Terra Indígena Yanomami.
Armas, peças de aeronaves e R$ 200 mil em espécie foram encontrados.

Operação realizada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal emRoraima prendeu nesta sexta-feira (13) na região de Boa Vista 26 pessoas suspeitas de participação em garimpos ilegais na Terra Indígena Yanomami, reserva ambiental que protege cerca de 20 mil índios no estado. Foram apreendidas também seis aeronaves que transportavam garimpeiros para a área de proteção.
De acordo com o superintendente da PF, Alexandre Silva Saraiva, foram expedidos 33 mandados de prisão para empresários, pilotos e proprietários de balsas que moram na região de Boa Vista, acusados de financiar e facilitar a atividade ilegal dentro da reserva. Sete pessoas ainda não foram encontradas até a tarde desta sexta-feira, mas a varredura deve permanecer ao longo do fim de semana.
Também foram expedidos 44 mandados de busca e apreensão para moradias e lojas instaladas em Boa Vista, capital do estado. Desses mandados, 11 foram destinados a apreender aeronaves utilizadas nas atividades ilegais. Até agora, seis foram encontradas em fazendas ou pistas de pouso que não estavam homologadas. Ainda segundo Saraiva, uma ordem judicial cassou a licença dos dez pilotos presos durante a operação.
Com um dos garimpeiros presos foram encontrados 6 kg de ouro, com valor estimado de R$ 613 mil. Durante a operação, os policiais apreenderam ainda R$ 200 mil em espécie, US$ 1.000 em espécie, além de dez armas, maquinário utilizado no garimpo e peças de aeronaves.
“O foco da operação é atingir o motor econômico do garimpo, a cadeia produtiva, que são os financiadores e aviões utilizados para invadir a terra indígena. A operação foi desenvolvida ao longo de um ano e contribui com outras ações para desmontar os garimpos na região”, disse Saraiva ao G1. Segundo ele, o grupo poderá ser indiciado criminalmente por formação de quadrilha, evasão de divisas e crimes ambientais.
Segundo a PF, foi decretada a prisão temporária dos suspeitos, que foram levados para a penitenciária agrícola do Monte Cristo, em Boa Vista.
Uma das aeronaves apreendidas em operação realizada nesta sexta-feira, na região de Boa Vista (RR). (Foto: Divulgação/Polícia Federal)Uma das aeronaves apreendidas em operação realizada nesta sexta-feira, na região de Boa Vista (RR). (Foto: Divulgação/Polícia Federal)
Com um dos garimpeiros presos, a PF encontrou 6 kg de ouro e dinheiro em espécie. A quantidade de ouro com o homem detido equivale a cerca de R$ 613 mil. (Foto: Divulgação/Polícia Federal)Com um dos garimpeiros presos, a PF encontrou 6 kg de ouro e dinheiro em espécie. A quantidade de ouro com o homem detido equivale a cerca de R$ 613 mil. (Foto: Divulgação/Polícia Federal)
Ouro é principal produto procurado na região
De acordo com o procurador da República Rodrigo Timóteo da Costa e Silva, atividades de garimpo são registradas há cerca de 30 anos na terras indígenas, que têm aproximadamente 96 mil km² (área equivalente a mais de quatro vezes o estado do Sergipe). Existem cerca de 20 garimpos ilegais sendo monitorados pela PF, com o objetivo de encontrar ouro.
“As lideranças Yanomamis reclamam muito dessa presença de garimpeiros, já que eles sofrem com doenças trazidas por eles e, principalmente, com conflitos étnicos e territoriais. A logística dos garimpeiros é bem complicada. É necessário transporte de avião ou de balsas para se chegar aos locais, já que é uma região de mata fechada. Existe uma grande quantidade de pistas clandestinas na região inóspita”, disse.
Imagem divulgada pela PF em Roraima mostra garimpo ilegal dentro da Terra Indígena Yanomami. (Foto: Divulgação/Polícia Federal)Imagem divulgada pela PF em Roraima mostra
garimpo ilegal dentro da Terra Indígena Yanomami.
(Foto: Divulgação/Polícia Federal)
Em maio passado, aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) destruíram uma pista clandestina de pouso e decolagem no meio da selva amazônica, a cerca de 200 km de Boa Vista.
Foram usadas quatro bombas para destruição da pista, que chegou a abrir crateras de aproximadamente 10 metros de diâmetro de largura e três metros de profundidade. O ponto exato do ataque da FAB foi identificado durante um sobrevoo feito em 11 de abril e registrado por 
imagens em infravermelhos..fonte:g1 Natureza sp/camocim belo mar blo
g

JIBOIA VIAJA TRÊS ESTADOS DE "CARONA" EM CAMINHÃO.


Na noite de ontem (12) a Polícia Militar foi acionada para atender um fato inusitado na região Sudoeste do Paraná: um caminhoneiro encontrou uma jiboia de aproximadamente um metro, em meio à carga de madeira que transportava.













o fato aconteceu na cidade de Marmeleiro, distante cerca de dez quilômetros de Francisco Beltrão. O caminhão, que foi carregado no Estado do Mato Grosso, teve problemas mecânicos e enquanto era concertado em uma autoelétrica, o motorista se deparou com o réptil que estava na carroceria do caminhão. A cobra foi deixada no local e capturada pela PM e encaminhada nesta manhã, para a Polícia Ambiental de Francisco Beltrão.
Segundo o Soldado Vargas, a jiboia está com alguns ferimentos, possivelmente tenha sido prensada com o movimento da madeira, durante o transporte. Ela está recebendo os primeiros socorros e será encaminhada ainda hoje para o Zoológico de Cascavel.
fonte:noticia policiais./camocim belo mar blog