quarta-feira, 18 de junho de 2014

POLÍCIA NÃO CONFIRMA PARTICIPAÇÃO DO COTAR EM AGRESSÃO DE JOVEM DE 15 ANOS.


Renap denunciou que policiais militares do Cotar agrediram e incitaram violência a um adolescente de 15 anos durante a dispersão de protesto anti-Copa
A agressão de um adolescente de 15 anos por policiais militares do Comando Tático Rural (Cotar), nas proximidades da BR-116, foi negada pela PM, nesta quarta-feira, 18. O major Andrade Mendonça, relações pública da PM, disse que a denúncia da abordagem policial não procede. Ação foi denunciada pela Rede Nacional de Advogados e Advogadas Populares (Renap)

Segundo o advogado Martinho Olavo Gonçalves e Silva, membro da Renap e observador da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-CE) na manifestação, a agressão ocorreu após dispersão do ato, quando o jovem e um amigo entraram em uma rua perto da BR, por volta das 15 horas. A vítima foi abordada com violência por populares e policiais que passavam pela rua o agrediram e o entregaram novamente aos populares. 

Em contato com a redação, o major Andrade Mendonça informou que não houve comprovação da denúncia. “Não procede, o comandante de Choque não confirmou a abordagem de membros da Cotar nessa questão”, completa. O jovem foi levado ao Instituto Doutor José Frota (IJF) com escoriações no rosto, nos braços, nas pernas e no abdômen.

CROÁCIA GOLEIA CAMARÕES POR 4 A 0 E ESTÁ ELIMINADO DA COPA DO MUNDO DE 2014.

GRUPO A
Estadão Conteúdo |


Reuters
FOTO: REUTERS
Suspenso da abertura da Copa do Mundopor ter sido expulso no último jogo das Eliminatórias, Mandzukic voltou ao time da Croácia na segunda rodada do Grupo A e mostrou quanta falta fez diante do Brasil. Afinal, nesta quarta-feira, na Arena Amazônia, em Manaus, o centroavante do Bayern de Munique marcou dois gols e comandou a goleada croata sobre Camarões por 4 a 0.
A vitória da Croácia é boa para o Brasil porque Camarões vai enfrentar a seleção brasileira, na próxima segunda, em Brasília, já eliminado. Umplacar magro, porém, teria sido melhor para o time de Felipão. Afinal, agora qualquer derrota brasileira aliada a um empate entre Croácia e México, no Recife, elimina o Brasil, uma vez que os croatas já têm saldo igual ao brasileiro - dois gols - e três pontos. O México, assim com o Brasil, soma quatro pontos.
Alex Song, volante do Barcelona, foi expulso no fim do primeiro tempo e vai cumprir suspensão contra o Brasil. Eto'o não entrou na partida e mostrou que está mesmo baleado. Psicologicamente, os camaroneses se abalaram bastante quando a Croácia foi ampliando o placar, no segundo tempo. Assou-Ekotto e Moukandjo se agrediram no fim da partida.
Por dentro da partida 

Sem Eto'o, que tem lesão no joelho direito, Camarões entrou em campo com uma formação com três atacantes, sendo dois deles pontas, abertos pelas laterais. Moukandjo, caindo pela direita, era a melhor opção dos africanos nos primeiros minutos de jogo. Foi por ali que ele e Aboubakarcriaram duas boas oportunidades antes que a Croácia conseguisse seu primeiro ataque.
Os europeus, porém, foram mais efetivos e abriram o placar aos 11 minutos. Após cruzamento da direita, a zaga cortou parcialmente, mas a bola caiu para Perisic. Inteligente, ele rolou para a esquerda e encontrou Olic sozinho na segunda trave para marcar. Veterano de 34 anos, o atacante voltou a marcar em uma Copa 12 anos depois de fazer contra a Itália no Mundial de 2002. Nunca um jogador teve um hiato tão grande entre um gol e outro em Copas.
O gol no começo era tudo que os croatas queriam. Afinal, com Rakitic (reforço do Barcelona) eModric (titular do Real Madrid), a equipe controlava o meio de campo. Camarões tentava na base da velocidade, mas esbarrava na falta de espaços. Havia sempre um croata para dobrar a marcação. No ataque, a Croácia confiava na bola alta e no contra-ataque. Aos 16 minutos, quase o segundo gol veio em uma cobrança de escanteio. Perisic chutou e o goleiro Itandje salvou os africanos em cima da linha.
Quando Camarões começou a melhorar e passou a ter mais posse de bola, Alex Song, volante do Barcelona, colocou tudo a perder. Em uma corrida, ele estranhou-se com Mandzukic e resolveu dar um soco nas costas do centroavante, na cara do árbitro português Pedro Proença, que não titubeou para dar o cartão vermelho direto.

APÓS DECISÃO DO STF, CEARÁ PERMANECE COM 22 DEPUTADOS FEDERAIS.


Folhapress | CBM

Medida faz com que o Estado do Ceará permaneça com 22 cadeiras na Câmara Federal


Câmara Federal
AGÊNCIA CÂMARA
Uma maioria de sete ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou, nesta quarta-feira (18), para que permaneça inalterado o número de deputados que cada Estado tem direito na Câmara Federal. A maioria foi formada durante o julgamento em que uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que redistribuiu as 513 vagas da Câmara para as próximas eleições, foi questionada.
A medida faz com que o Estado do Ceará permaneça com 22 deputados federais. Além da maioria votar pela derrubada da resolução, os ministros também entenderam que uma lei de 1993, que fixa em 513 o número de deputados no país, não é válida.
Além do Ceará, Minas Gerais teria mais duas vagas extras. O Pará seria reforçado com mais quatro novos deputados.  Já o Amazonas e Santa Catarina ganhariam uma cadeira cada. De acordo os sete ministros, a lei diz que a divisão de cadeiras na Câmara será feita com base em dados populacionais do IBGE, mas não explicita o número exato que cada Estado deve ter, o que a torna inconstitucional.
Congresso terá nova prazo para editar nova legislação sobre o tema
Devido à derrubada não só da resolução, mas também da lei, o julgamento foi interrompido e os ministros irão discutir, na próxima semana, um prazo para que o Congresso edite nova legislação sobre o tema. Assim, para as próximas eleições, a atual distribuição seguirá em vigor. A resolução que deu início ao processo julgado nesta quarta-feira foi editada pelo TSE em abril de 2013.
Com base na lei de 1993, a corte eleitoral entendeu que cabia a ela, a partir de dados populacionais do IBGE, fixar o número de cadeiras que cada Estado tem direito no Legislativo. De acordo com a resolução, a partir de 2015, Pernambuco, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Rio Grande do Sul e Alagoas deveriam perder, cada um, uma cadeira na Câmara, enquanto Paraíba e Piauí deveriam perder duas vagas cada.
Após editar a resolução, o TSE foi alvo de críticas do Congresso Nacional, que em dezembro de 2013 aprovou decreto legislativo derrubando a resolução da Justiça Eleitoral. O caso voltou à tona em maio, quando o TSE contrariou o Congresso e referendou sua antiga resolução dizendo que o número de cadeiras do Legislativo deveria ser alterado a partir do ano que vem.
A ratificação da resolução foi classificada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), como "bullying institucional", ao recorrer ao STF para manter válido decreto legislativo. Segundo Renan, cabe somente ao Congresso, por meio de lei, alterar o número de cadeiras a que cada Estado terá direito.
A resolução do TSE ainda foi alvo dos Estados que perderam cadeiras em suas assembleias legislativas, uma vez que, havendo alterações na divisão das bancadas na Câmara, haveria reflexo nos legislativos estaduais.
Votação desta quarta-feira
Os ministros Teori Zavascki, Rosa Weber, Luiz Fux, Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello e Joaquim Barbosa concordaram com a tese de Renan e entenderam que somente o Congresso pode definir a divisão das 513 vagas da Câmara entre os Estados. "Permitir que o TSE defina o número de deputados] contraria o princípio da divisão dos Poderes", disse Fux. Quando votou, Barbosa concordou com o colega dizendo que "a lei é clara e não delegou poderes ao TSE".