sexta-feira, 8 de junho de 2012

A SANTA MISSA DE SÁBADO.



— Bem-aventurado José de Anchieta
Nascido nas Ilhas Canárias, pertencente a uma grande família de 12 irmãos, o santo de hoje viveu no século XVI.
Por motivos de estudo, foi enviado para Coimbra – Portugal, local onde teve o primeiro contato com a Companhia de Jesus e com o testemunho de São Francisco Xavier.

Muitas coisas o levaram a discernir seu chamado à vida religiosa, e aos 17 anos diante de uma imagem de Nossa Senhora, ele fazia o seu compromisso de abandonar tudo e servir a Deus.

Anchieta entrou na Companhia de Jesus em 1551, fez um noviciado exigente, e mesmo com a saúde frágil fez os seus votos de castidade, pobreza e obediência, em 1553. Neste mesmo ano foi enviado para o Brasil, e chegando na Terra de Santa Cruz ele pôde evangelizar.

Ainda não era sacerdote. Estudava Filosofia, Teologia, e sempre evangelizando, dando aulas, indo ao encontro dos indígenas. Respeitava a cultura do povo, conheceu a língua Tupi-Guarani para melhor evangelizar.

Homem fiel à santa doutrina, à sua congregação e acima de tudo, fiel ao Espírito Santo.

Esteve em diversos lugares do Brasil, como São Paulo, Rio de janeiro, Espírito Santo, Bahia etc. Consumia-se na missão.

José de Anchieta é um modelo para todos os tempos, para uma nova evangelização no poder do Espírito Santo e com profundo respeito a quem nos acolhe, a quem é chamado também a ser inteiro de Jesus.

Bem-aventurado José de Anchieta, rogai por nós!

BEATO JOSÉ DE ANCHIETA - PRESBÍTERO E MISSIONÁRIO
(BRANCO, PREFÁCIO COMUM OU DOS PASTORES – OFÍCIO DA MEMÓRIA)
Antífona da entrada: Estes são homens santos que se tornaram amigos de Deus, gloriosos arautos de sua mensagem.
Oração do dia
Derramai, Senhor, sobre nós a vossa graça, a fim de que, a exemplo do bem-aventurado José de Anchieta, apóstolo do Brasil, sirvamos fielmente ao Evangelho, tornando-nos tudo para todos, e nos esforcemos em ganhar para vós nossos irmãos no amor de Cristo. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Leitura (2 Timóteo 4,1-8)
Leitura de Segunda Carta de São Paulo a Timóteo
4 1 Eu te conjuro em presença de Deus e de Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, por sua aparição e por seu Reino:
2 prega a palavra, insiste oportuna e importunamente, repreende, ameaça, exorta com toda paciência e empenho de instruir.
3 Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si.
4 Apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas.
5 Tu, porém, sê prudente em tudo, paciente nos sofrimentos, cumpre a missão de pregador do Evangelho, consagra-te ao teu ministério.
6 Quanto a mim, estou a ponto de ser imolado e o instante da minha libertação se aproxima.
7 Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé.
8 Resta-me agora receber a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia, e não somente a mim, mas a todos aqueles que aguardam com amor a sua aparição.
- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.
Salmo responsorial 70/71
Minha boca anunciará vossa justiça.
Vosso louvor é transbordamento de meus lábios,
cantam eles vossa glória o dia inteiro.
Não me deixeis quando chegar minha velhice,
não me falteis quando faltarem minhas forças!
Eu, porém, sempre em vós confiarei,
sempre mais aumentarei vosso louvor!
Minha boca anunciará todos os dias
vossa justiça e vossas graças incontáveis.
Cantarei vossos portentos, ó Senhor,
lembrarei vossa justiça sem igual!
Vós me ensinastes desde a minha juventude,
e até hoje canto as vossas maravilhas.
Então, vos cantarei ao som da harpa,
celebrando vosso amor sempre fiel;
para louvar-vos, tocarei a minha cítara,
glorificando-vos, ó santo de Israel!
Aclamação do Evangelho
Aleluia, aleluia, aleluia.
Felizes os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus (Mt 5,3).

Evangelho (Marcos 12,38-44)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!
12 38 Jesus lhes dizia em sua doutrina: "Guardai-vos dos escribas que gostam de andar com roupas compridas, de ser cumprimentados nas praças públicas
39 e de sentar-se nas primeiras cadeiras nas sinagogas e nos primeiros lugares nos banquetes.
40 Eles devoram os bens das viúvas e dão aparência de longas orações. Estes terão um juízo mais rigoroso".
41 Jesus sentou-se defronte do cofre de esmola e observava como o povo deitava dinheiro nele; muitos ricos depositavam grandes quantias.
42 Chegando uma pobre viúva, lançou duas pequenas moedas, no valor de apenas um quadrante.
43 E ele chamou os seus discípulos e disse-lhes: "Em verdade vos digo: esta pobre viúva deitou mais do que todos os que lançaram no cofre,
44 porque todos deitaram do que tinham em abundância; esta, porém, pôs, da sua indigência, tudo o que tinha para o seu sustento".
- Palavra da Salvação.
- Glória a Vós, Senhor!
Sobre as oferendas
Olhai, ó Deus todo-poderoso, as oferendas que vos apresentamos na festa do bem-aventurado José de Anchieta e concedei-nos imitar os mistérios da paixão do Senhor que agora celebramos. Por Cristo, nosso Senhor.
Antífona da comunhão: Eu mesmo apascentarei as minhas ovelhas e as farei repousar, diz o Senhor (Ez 34,15).
Depois da comunhão
Ó Deus, pela força deste sacramento, confirmai vossos filhos e filhas na verdade da fé, pela qual o bem-aventurado José de Anchieta jamais deixou de trabalhar, consagrando-lhe toda a sua vida. Fazei que nós também a proclamemos por toda parte com palavras e ações. Por Cristo, nosso Senhor.
Santo do Dia / Comemoração (JOSÉ DE ANCHIETA)
José de Anchieta nasceu no dia 19 de março de 1534, na cidade de São Cristóvão da Laguna, na ilha de Tenerife, do arquipélago das Canárias, Espanha. Foi educado na ilha até os quatorze anos de idade. Depois, seus pais, descendentes de nobres, decidiram que ele continuaria sua formação na Universidade de Coimbra, em Portugal. Era um jovem inteligente, alegre, estimado e querido por todos. Exímio escritor, sempre se confessou influenciado pelos escritos de são Francisco Xavier. Amava a poesia e mais ainda, gostava de declamar. Por causa da voz doce e melodiosa, era chamado pelos companheiros de "canarinho".
Mas também tinha forte inclinação para a solidão. Tinha o hábito de recolher-se na sua cela ou de retirar-se para um local ermo a fim de dedicar-se à oração e à contemplação. Certa vez, isolou-se na catedral de Coimbra e, quando rezava no altar de Nossa Senhora, compreendeu a missão que o aguardava. Naquele mesmo instante, sentiu o chamado para dedicar sua vida ao serviço de Deus. Tinha dezessete anos e fez o voto de consagrar-se à Virgem Maria.
Ingressou na Companhia de Jesus e, quando se tornou jesuíta, seguiu para o Brasil, em 1553, como missionário. Chegou na Bahia junto com mais seis jesuítas, todos doentes, inclusive ele, que nunca mais se recuperou. Em 1554, chegou à capitania de São Vicente, onde, junto com o provincial do Brasil, padre Manoel da Nóbrega, fundou, no planalto de Piratininga, aquela que seria a cidade de São Paulo, a maior da América do Sul. No local foi instalado um colégio e seu trabalho missionário começou.
José de Anchieta não apenas catequizava os índios. Dava condições para que se adaptassem à chegada dos colonizadores, fortalecendo, assim, a resistência cultural. Foi o primeiro a escrever uma "gramática tupi-guarani", mas, ao mesmo tempo, ensinava aos silvícolas noções de higiene, medicina, música e literatura. Por outro lado, fazia questão de aprender com eles, desenvolvendo diversos estudos da fauna, da flora e do idioma.
Anchieta era também um poeta, além de escritor. É célebre o dia em que, estando sem papel e lápis à mão, escreveu nas areias da praia o célebre "Poema à Virgem", que decorou antes que o mar apagasse seus versos. A profundidade do seu trabalho missionário, de toda a sua vida dedicada ao bem do próximo aqui no Brasil, foi exclusivamente em favor do futuro e da sobrevivência dos índios, bem como para preservar sua influência na cultura geral de um novo povo.
Com a morte do padre Manoel da Nóbrega em 1567, o cargo de provincial do Brasil passou a ser ocupado pelo padre José de Anchieta. Neste posto mais alto da Companhia de Jesus, viajou por todo o país orientando os trabalhos missionários.
José de Anchieta morreu no dia 9 de junho de 1597, na pequena vila de Reritiba, atual cidade de Anchieta, no Espírito Santo, sendo reconhecido como o "Apóstolo do Brasil". Foi beatificado pelo papa João Paulo II em 1980. A festa litúrgica foi instituída no dia de sua morte.

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO
1. “As moedinhas insignificantes que valiam uma fortuna...”(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)
Em nossas comunidades ocorre uma situação não muito diferente desse quadro que se apresenta aos olhos de Jesus, narrado por São Marcos, onde os afortunados desfilavam de maneira ostentosa na hora de levar a sua oferta para o lugar a elas destinado. Sem discutir aqui a questão do valor do dízimo que ofertamos, vamos conduzir a mesma reflexão em uma outra direção: vamos como Jesus observar com atenção a comunidade, há nela uma verdadeira passarela onde ostentamos nossos carismas e talentos naturais, gostamos muito de rasgação de seda, e chuva de confetes sobre nós, e assim nossos egos são constantemente alisados e nos sentimos sempre lisonjeados pelo que fazemos, e do modo como fazemos. É a mesma situação que Jesus presencia no templo, onde muitos ricos depositavam grandes quantias.
De repente, no meio de tantos talentos grandiosos de causar admiração, surge aquela viúva que devia ser idosa, não entrou na fila da oferta de cabeça baixa, constrangida pelas suas duas pequeninas moedinhas que carregava para ofertar, mas com consciência de quem sabe que está dando tudo de si, colocou na cesta de coleta e voltou ao seu lugar na assembleia. Jesus não olhou o valor, mas o modo como estava sendo ofertado.
Certamente os que ofertavam grandes quantias eram os “Mandões” da comunidade, suas ofertas eram como se fossem quotas de participação no empreendimento, exigiam prestação de contas e não admitiam que se tomassem decisões sem consultá-los previamente.
Mas e a nossa viúva, quem era ela na comunidade? Era alguém considerada? Ouviam sempre sua opinião? Davam-lhe sempre atenção necessária? Chamavam-na para participar da reunião do Conselho? Estamos acostumados a pensar que pessoas simplezinhas dessa maneira, só atrapalham porque nunca têm uma opinião formada e, coitadinhas, às vezes nem sabem falar o que pensam...
Recentemente o nosso Arcebispo foi laureado em uma Universidade local, com o título de “Doutor em Honoris Causa”, e no momento em que fez os agradecimentos, mandou levantar –se uma mulher humilde que estava ali na assembleia e afirmou “Essa é minha convidada muito especial, trata-se da minha cozinheira, e sem ela o meu intelecto nem funcionaria direito, por isso reparto com ela esse título que vocês me concedem”.
E nesse momento a mesa das autoridades e toda a assembleia aplaudiu com entusiasmo aquela mulher tão simples, que sentiu-se valorizada e que, quem sabe, jamais poria os pés em uma Universidade, a não ser para trabalhar na cozinha...
Há em nossas comunidades irmãos e irmãs que aparentemente dão pouco, mas pelo modo como dão, superam aos talentosos e importantes, porque se dão com toda humildade e alegria, oferecendo o melhor de si naquilo que fazem...
2. Denúncia dos sistemas desumanos
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por José Raimundo Oliva - e disponibilizado no Portal Paulinas)
Jesus, em Jerusalém, encerra seu ministério com duras palavras contra o sistema do Templo. Ensinando no próprio Templo, adverte o povo contra a sua exploração por parte dos escribas, que "devoram as casas das viúvas". Estes ostentam poder e piedade para humilhar o povo simples e mantê-lo sob seu domínio.
Jesus senta-se em frente ao Tesouro, anexo ao Templo. Observava como a multidão depositava dinheiro nos cofres. Os ricos, interessados em fortalecer o sistema do Templo, do qual se beneficiavam, colocavam grandes quantias. Uma pobre viúva vem e deposita duas moedinhas. Jesus fala que a pobre viúva deu mais do que todos, pois deu tudo o que possuía. A piedade tradicional interpreta a fala de Jesus como sendo a apresentação de um modelo a ser seguido.
Na realidade, em continuidade à denúncia dos escribas que "devoravam a casa das viúvas", segue esta denúncia do sistema desumano do Templo que, claramente, explora os pequenos, humildes e pobres, como aquela viúva.
Oração
Senhor Jesus, dá-me pureza de coração, para que todas as minhas ações sejam marcadas pela sinceridade e por um amor verdadeiro ao Pai.
3. A GENEROSIDADE LOUVADA(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total a cada mês).
O contraste entre a oferta dos ricos e a da pobre viúva foi sublinhado, de propósito, por Jesus. Dois gestos, materialmente idênticos, escondiam diferenças significativas. A oferta do rico, maior em quantidade, não tinha a qualidade da oferta da viúva: a primeira provinha do supérfluo, a segunda da penúria e significava abrir mão do próprio sustento. A generosidade do rico revelou exibição, enquanto a da viúva tinha a consistência de um gesto feito de coração.
A observação de Jesus deixava transparecer sua simpatia e predileção pelos pobres. A humildade e simplicidade destes tornavam-nos abertos para Deus, a ponto de se esquecerem de si mesmos e de suas necessidades materiais. A total confiança na misericórdia divina levava-os a se mostrarem desapegados mesmo daquilo que lhes era necessário para sobreviver.
Desta maneira, os pobres mostravam-se mais predispostos a acolher o Reino de Deus. Por não estarem apegados aos bens materiais, deixavam espaço aberto para Deus se tornar Senhor de suas vidas. Jesus dava-se conta de como a pobreza gerava liberdade, possibilitando a ação do Reino.
Louvando o gesto daquela pobre viúva, Jesus denunciava o daqueles que acreditavam poder comprar a benevolência divina com esmolas generosas.
Oração
Espírito de generosidade, liberta meu coração de todo apego aos bens deste mundo, tornando-me capaz de partilhar até mesmo do meu pouco.fonte:NPD Brasil/camocim belo mar blog

O CANTOR PEDRO LEONARDO PODE FICAR EM PÉ NA PRÓXIMA SEMANA,DIZ ASSESSORA.


O cantor Pedro Leonardo pode ser colocado de pé na semana que vem pelos médicos do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde o paciente está internado desde o dia 26 de abril. A informação é da assessora do paciente, Ede Cury.
"Não estamos falando que ele vai andar, ele deve ficar de pé. É diferente", ressaltou.
Para isso, o cantor está passando por sessões de fisioterapia três vezes por dia. Além disso, tem recebido acompanhamento de uma fonoaudióloga também três vezes por dia.
Desde que voltou a consumir alimentos sólidos, no dia 29 de maio, Pedro Leonardo já recuperou 1,7 quilo, dos 27 quilos que perdeu durante o período de internação em Goiás e depois em São Paulo, desde 20 de abril, data do acidente de carro sofrido por ele.
O jovem tem cerca de 1,90 m de altura e deu entrada no hospital pesando pouco mais de 120 kg.
Segundo Ede Cury, o cantor está se alimentando bem, conversando com a família e bastante lúcido. No domingo (3), ele deixou a unidade de terapia semi-intensiva do Sírio-Libanês e foi para o quarto. Na segunda (4), o paciente passou por um teste de leitura e conseguiu ler textos sem nenhum problema.
Apesar do otimismo, segundo a assessora, Pedro Leonardo ainda está sob muitos cuidados e com restrições de líquidos. Dois enfermeiros se revezam para cuidar do cantor, alimentando-o e dando banho. Ele tem ficado sentado e, na hora da higiene pessoal, usa uma cadeira de rodas.
Pedro ainda não consegue segurar objetos, pois é destro e seu lado direito do corpo ainda não está com a mobilidade normal, por isso, a importância da fisioterapia.
As visitas ao cantor continuam restritas. Apenas os pais, irmãos, a mulher e as tias dele podem vê-lo. Os horários de visita agora, porém, são livres.fonte:G1 SP/camocim belo mar blog

MESMO EM SITUAÇÃO DIFCIL PC GUSMÃO NA RECUPERAÇÃO DO CEARÁ..



Treinador disse que o grupo é bom e joga com felicidade. Mas reforçou que o Vovô necessita de contratações para poder reagir no campeonato

O treinador Paulo César Gusmão comentou o momento ruim do Ceará na Série B do Campeonato Brasileiro, as falhas da defesa, as críticas que vem recebendo e o mau momento do goleiro Fernando Henrique. E garantiu que não há crise interna no grupo alvinegro, pois segundo ele, no momento, todos jogam com felicidade.

Surpresa negativa
PC Gusmão, técnico do Ceará (Foto: Alex Costa / Ag. Diário)PC Gusmão não esperava o início ruim do Vovô
na Série B (Foto: Alex Costa / Ag. Diário)
O início ruim surpreendeu o comandante alvinegro. PC Gusmão disse que todo mundo dentro do clube ficou surpreso. Todavia, sabia das dificuldades e deixou claro que espera por contratações para tentar reverter o mais rápido possível a situação.
- O momento é ruim (pausa). Momento realmente ruim que nem nas piores previsões imaginava. Nós precisamos, o mais rápido possível, que cheguem atletas que venham realmente ocupar um espaço que a gente está necessitando. Isso ficou nítido na entrada da competição. Diretoria está ciente da nossa necessidade e os atuais jogadores estão conscientes que precisam melhorar até para permanecer no time. Mas sigo confiante. O grupo é junto e consciente. É um grupo que procura trabalhar se doando ao máximo. Com felicidade como sempre prego para eles, para que as coisas boas retornem - disse.
Sobre as críticas que vem recebendo por parte da torcida e principalmente da imprensa esportiva, PC Gusmão demonstrou segurança e personalidade.
- Eu trabalho com as minhas convicções. E até por isso eu procuro nem me ausentar de qualquer tipo de comentários esportivos. Tanto televisão, rádio e jornal. Faço o que eu achar melhor, mas sempre pedindo auxilio para toda comissão técnica e diretoria - falou PC Gusmão.
Problema não é só a defesa
Ao falar da defesa, PC Gusmão não só culpou o setor defensivo do Ceará. Ressaltou que todo o time precisa de concentração para ter um equilíbrio necessário para conquistar as vitórias.
- Minhas equipes por onde tenho trabalhado é muito focado na parte defensiva. Hoje, vejo que nossa defesa é muito vulnerável. Mas vejo que não é só esse setor que está vulnerável. Eu acho que um grupo precisa de um equilíbrio para que ele se torne forte ofensivamente e defensivamente.
Fernando Henrique segue prestigiado
Se depender de PC Gusmão, o arqueiro alvinegro segue prestigiado. E para o comandante do Vovô todo mundo na vida tem o direito de errar.
- Falhar todo mundo falha. A gente sabe que pode falhar. Agora o torcedor é passional. O torcedor no primeiro erro você já não presta. Nós não trabalhamos desta forma. Nós trabalhamos com números, com equilíbrio, com emocional. Vendo se aquele profissional está no momento bom. Se realmente isso casar ele permanece se não agente troca - disse.
Fernando Henrique, goleiro do Ceará (Foto: Viviane Pinheiro / Ag. Diário)Fernando Henrique, goleiro do Ceará, continua dono da camisa 1. De acordo com o treinador do Vovô todo mundo tem o direito de errar  (Foto: Viviane Pinheiro / Ag. Diário).fonte AG,Diario/camocim belo mar blog