quarta-feira, 31 de julho de 2013

A CONSCIÊNCIA POLÍTICA DE ALUÍZIO ALVES III:ATRITOS NO CAMINHO DA HARMONIA.




A estrutura fundamental dos governos democrático tem como alicerce o pensamento de dois grandes filósofos franceses, Jean-Jacques Rousseau e Charles-Louis de Secondat, o barão de Montesquieu, bem como do político e pensador norte-americano, Thomas Jefferson. Rousseau expressou a ideia de que governantes e governados teriam um contrato tácito, não formalmente expresso, estabelecendo que os legisladores devem fazer as leis de acordo com a vontade do povo e que, pelo primado da maioria, as leis deveriam valer para todos; até para aqueles que com elas não concordasse. Montesquieu defendia que o poder deveria ser dividido em três segmentos perfeitamente distintos: o Legislativo faz as leis, o Executivo executa a administração geral do aparato estatal e o Judiciário decide sobre os conflitos de interesses, aplicando normas gerais e abstratas. Por sua vez, Jefferson defendia um Executivo não centralizador, como forma de impedir que os governantes tivessem em suas mãos todas as funções de mando e de formulação das leis, evitando-se, dessa forma, o surgimento de uma “monarquia republicana”.
Reprodução

Embora oriundo do campo parlamentar (foi deputado federal de 1946 a 1961), como governador Aluízio Alves teve vários problemas com os outros poderes. As relações que deveriam ser de harmonia e de alinhamento para administrar os interesses do povo potiguar, nem sempre assim o foram. Dizia-se que os problemas do governo Aluízio Alves com o legislativo estadual, se originavam no fato dos deputados – distanciando-se da sua função de cogerenciar estruturalmente o Estado – não quererem tomar conhecimento do que estava sendo feito pelo executivo, com o objetivo de desenvolver a economia e modernizar o instrumental de governo do Rio Grande do Norte.

Conversando com Deputados

Nem sempre as relações do governo Aluízio Alves com os deputados estaduais se deram em níveis eminentemente institucionais. Houve períodos de alta e de baixa. O ímpeto de alterar, de mudar como as coisas eram conduzidas entre o Palácio Potengi (depois Palácio da Esperança) e a Assembleia Legislativa do Estado rendeu ao novo governador uma série de tropeços e situações inusitadas. Indagado como encarou esse fato, Aluízio respondeu:

POLÍCIA CIVIL DE PERNAMBUCO INVESTIGA SUPOSTA VENDA DE BEBÊ NO FACEBOOK.


Mulher tentou vender seu bebê recém-nascido por R$ 50 mil

A Polícia Civil de Pernambuco investiga um suposto esquema de compra e venda de umbebê pela internet. O Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente informou que identificou uma mulher de Recife que supostamente tentou vender seu bebê recém-nascido por R$ 50 mil.
A criança nasceu em maio, com seis meses, e morreu na última sexta-feira. Foto: SXC
A mulher interessada em ficar com a criança disse à polícia que acreditava que o bebê seria doado e que desistiu quando a mãe pediu o dinheiro. Ela denunciou o caso ao Ministério Público, que encaminhou as informações à Polícia Civil. O nome delas não foi informado.
De acordo com o delegado responsável pelo caso, Ademir de Oliveira, a mãe do bebê ofereceu o filho por uma página no Facebook. Ela já foi ouvida, mas ninguém foi preso. O delegado não informou o que ela disse no depoimento.
O delegado disse que há oferta de crianças em Recife em pelo menos duas páginas na rede social. Ele informou que vai solicitar ao escritório do Facebook no Brasil cópia do conteúdo das páginas e a remoção delas.

CASAL,"UNIDO" NO AMOR E NA MACONHA.


A repressão ao tráfico de drogas realizada pelas polícias Civil e Militar da Paraíba resultou na apreensão de aproximadamente 13 quilos de maconha e ainda uma pequena quantidade de crack nos bairros Padre Zé e Geisel, em João Pessoa. As ações foram realizadas, na noite dessa segunda-feira (29), em menos de três horas, durante rondas de rotina de policiais militares do 5º Batalhão e investigação de policiais civis da Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE).