segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

APÓS REUNIÃO,SINDICATO MANTÉM OBRAS DO CASTELÃO PARALISADAS.

Sintepav repassa as reivindicações ao consórcio construtor do estádio. Nova reunião está agendada para a manhã desta terça-feira

Por Diego MoraisFortaleza, CE
Obras Castelão  (Foto: Divulgação / CECOPA-CE)Obras no Castelão foram paralisadas na manhã
desta segunda-feira (Foto: Divulgação / Secopa-CE)
Representantes do Sintepav-CE - sindicato que representa os operários das obras do estádio Castelão - estiveram reunidos com o consórcio Arena Castelão, responsável pela execução da obra, e repassaram as reivindicações da categoria. Segundo o Sintepav-CE, os trabalhadores lutam por equiparação salarial, além de pagamento de salários, horas extras e cestas básicas atrasados.
Os operários paralisaram as obras do Estádio Castelão desde a manhã desta segunda-feira e, após repassarem suas exigências, decidiram manter a paralisação, no mínimo, até esta terça. A principal pauta de reivindicação é o tratamento diferenciado que é dado aos trabalhadores terceirizados na obra. Segundo o Sintepav-CE, metade dos operários é contratada por 12 empresas terceirizadas para realizar os mesmos serviços que os funcionários do consórcio. Hoje, o Castelão tem aproximadamente 1.200 pessoas trabalhando diretamente na reforma, modernização e adequação do Estádio para a Copa do Mundo de 2014.
O consórcio construtor afirmou, por meio de nota, que vai avaliar as reivindicações e fazer um levantamento do material que foi apresentado pelo Sintepav-CE. Na manhã desta terça-feira, haverá uma nova reunião entre as duas partes para uma nova rodada de negociações.
De acordo com o último relatório do consórcio construtor, foram executados 56,7% das obras. Das quatro etapas executadas, duas foram concluídas. O Castelão será palco de seis jogos na Copa do Mundo de 2014, entre eles, uma partida da Seleção Brasileira na primeira fase. Antes, porém, o estádio sediará três partidas da Copa das Confederações, em 2013.
Veja a íntegra da nota publicada pelo consórcio executor das obras:
Durante reunião realizada na tarde de hoje, o Sintepav apresentou uma série de reivindicações identificadas em empresas terceirizadas pelo Consórcio Castelão. Algumas dessas empresas não estariam cumprindo o que ficou acertado no acordo coletivo de trabalho.
Visando o melhor atendimento aos trabalhadores, como também, garantir o bom andamento e o cronograma das obras do estádio, o Consórcio Arena Castelão formado pelas empresas Galvão Engenharia e Andrade Mendonça se prontificou a fazer um levantamento das demandas apresentadas pelo Sintepav com cada uma das empresas terceirizadas. Comprometeu-se ainda, em solucionar todas as possíveis pendências identificadas imediatamente, garantindo o direito dos trabalhadores.fonte G1,CE

TERMINA PRIMEIRO DIA DE JUGAMENTO DE ACUSADO DE MATAR ELOÁ.

Jovens que sobreviveram a sequestro falaram no fórum de Santo André.
Júri de Lindemberg Alves teve início pela manhã.

Rafael SampaioDo G1 SP
6 comentários

Terminou por volta das 20h desta segunda-feira (13) o primeiro dia de julgamento de Lindemberg Alves, acusado de matar Eloá Pimentel em Santo André, no ABC, em 2008. O júri deverá ser retomado às 9h desta terça (14). O acusado deixou o fórum e passará a noite em um presídio na região.
O sargento da Polícia Militar Atos Antonio Valeriano, que escapou de um tiro durante o sequestro, foi o último a falar. Seu depoimento durou cerca de 45 minutos. Houve bate-boca entre o assistente de acusação e a defesa.
Segundo o PM, Lindemberg Alves atirou para matá-lo. "O tiro passou a 30 centímetros da minha cabeça." Valeriano disse que o acusado repetia várias vezes que ia "matar todo mundo" e depois se matar.
Antes do policial, os três jovens que foram mantidos reféns, mas sobreviveram ao cárcere privado, falaram no julgamento.
Iago Vilera prestou depoimento por mais de 30 minutos. O acusado voltou à sala do júri sem algemas e escoltado por dois PMs para assistir ao depoimento, já que o jovem não se opôs à presença dele.
"Eu vi o Lindemberg perseguindo a Eloá, passando de moto e encarando os amigos de forma ameaçadora", disse Vilera. "Fiz tratamento psicológico para me curar do trauma."
Antes dele, o estudante Victor de Campos, que também foi mantido refém por Lindemberg, prestou depoimento. Foi o segundo a falar no julgamento, iniciado pela manhã. Nayara Rodrigues, amiga de Eloá que foi baleada durante o sequestro, falou por quase duas horas. O depoimento dela terminou por volta das 17h; o de Campos, pouco antes das 18h.
Campos disse que Lindemberg disse que "não estava para brincadeira". "Ele dizia que ia fazer uma besteira. Me deu uma coronhada porque achou que eu tinha algo com a Eloá."
Lindemberg aguarda início do julgamento (Foto: Kleber Tomaz/G1)Lindemberg aguarda início do julgamento (Foto:
Kleber Tomaz/G1)
Segundo ele, o acusado dizia aos reféns: "Vou atirar em um de vocês para botarem fé em mim". "O que me dava mais medo era ver meus amigos tomarem um tiro, acontecer alguma tragédia", disse.
Já Nayara disse que Lindemberg passou a odiá-la. "Ele achava que eu influenciava negativamente a Eloá. Ele achava que ela tinha terminado o namoro por minha causa. Ele me odiava e odiava minha mãe", disse. Ela falou por quase duas horas.
Segundo ela, o acusado mudou o comportamento com ela após o término. Antes, segundo ela, a relação entre ela e o ex da amiga era "boa". Lindemberg foi retirado da sala a pedido da jovem.
Apesar de toda a repercussão do caso, Nayara disse que conseguiu passar de ano. "Fiquei o resto do ano fora da escola, mas não perdi o ano porque fiz trabalhos em casa", afirmou. Ela contou também que fez tratamento "psicológico e psiquiátrico". "tomei remédio, mudei de escola. E ainda tenho cirurgias para fazer."
Nayara disse que o namoro de Lindemberg e Eloá tinha "idas e vindas". Segundo ela, os dois terminaram "várias vezes". "Uma vez ela não quis voltar e aí ficou conturbado. Lindemberg começou a persegui-la e a agrediu em um ponto de ônibus."
A amiga da garota morta afirmou ainda que ela se sentia ameaçada. "No dia do crime, ele ficou surpreso de ter mais gente no apartamento. Ele entrou já de arma em punho."
Durante o depoimento, Nayara começou a chorar. "Ele batia nela o tempo todo dentro da casa, não largava a arma", disse, emocionada. Segundo ela, Eloá ficou "exausta" e "nervosa". "Ela disse que se era para morrer que fosse logo."
"Ele se vangloriava, via tudo pela TV. Deu um tiro no PM e disse: 'É para mostrar que eu não sou bonzinho'." Nayara disse que Eloá ficou "toda roxa, muito machucada."
Ela afirmou também que Lindemberg disse que ia matar Eloá desde o primeiro momento no apartamento. "ele não era confiável. Várias vezes ele prometeu coisas para os policiais que a gente sabia que ele não ia cumprir."
Retomada
Houve um recesso para almoço das 13h às 14h30. Durante a manhã, houve a exibição de vídeos tanto do Ministério Público quanto da defesa do réu aos jurados. Seis homens e uma mulher compõem o conselho de sentença, definido no início do julgamento.
Durante uma hora e meia, entre 11h36 e 13h06, a defesa de Lindemberg exibiu cerca de 15 vídeos jornalísticos que retratam a cobertura da imprensa e também a invasão da Polícia Militar ao apartamento onde a Eloá foi mantida refém por cinco dias, entre 13 e 17 de outubro de 2008. As imagens mostram entrevistas que criticam a postura de jornalistas que chegaram a conversar com o acusado por telefone enquanto ele mantinha quatro pessoas em cativeiro, impossibilitando que os policiais conduzissem a negociação com o réu.
Em outras reportagens exibidas pela defesa, as criticas são direcionadas à invasão do Grupo de Ações Táticas e Especiais (Gate) da Polícia Militar ao imóvel. O material sugere que Lindemberg atirou em Eloá após a incursão dos policiais.
Lindemberg Alves Fernandes, de 25 anos, acusado de matar a ex- namorada Eloá Pimentel em 2008, é visto no banco dos réus (Foto: Diogo Moreira/ Futura Press/ AE)Lindemberg Alves Fernandes, de 25 anos, acusado
de matar a ex- namorada Eloá Pimentel em 2008, é
visto no banco dos réus (Foto: Diogo Moreira/ Futura
Press/ AE)
Entre as reportagens jornalísticas apresentadas pela advogada Ana Lúcia Assad, que representa Lindemberg, há entrevistas do réu logo após a prisão, em imagens divulgadas por uma emissora de TV, na qual ele diz que “gostaria de voltar o tempo”. Há também entrevistas com Nayara Rodrigues da Silva, mantida refém e baleada por Lindemberg, na qual diz que só efetuou os disparos após a entrada da PM no apartamento.
A promotora Daniela Hashimoto também exibiu um vídeo retratando o comportamento agressivo de Lindemberg Alves.
TestemunhasA mãe de Eloá Cristina Pimentel, Ana Cristina Pimentel, e o irmão mais novo da jovem de 15 anos morta em 2008 irão depor como testemunhas de defesa no julgamento. Eles substituem duas testemunhas convocadas pela advogada do acusado e que não apareceram no júri – no total, quatro dos convocados faltaram.
A pedido da advogada Ana Lúcia Assad, a mãe de Eloá substituiu uma jornalista e o irmão entra no lugar do perito Nelson Gonçalves, que fez os laudos do caso pelo Instituto de Criminalística (IC). O pedido para a mãe da jovem ser testemunha seria uma estratégia da defesa para tirá-la do plenário e evitar manifestações de emoção que poderiam influenciar a decisão dos sete jurados – seis homens e uma mulher.
Início do júri
O julgamento de Lindemberg Alves Fernandes começou por volta 10h50 desta segunda-feira.
O júri presidido pela juíza Milena Dias ocorre mais de três anos após um dos sequestros mais longos do país - cerca de cem horas - acompanhado ao vivo pela TV, que terminou com a morte da estudante, com 15 anos à época.
O réu chegou algemado, mas ficou definido que ele não usará algemas durante o julgamento.
Relembre o caso
Conforme denúncia do Ministério Público, movido por ciúmes de Eloá porque a ex não queria mais reatar o romance de três anos, o então auxiliar de produção Lindemberg, com 22 anos na época, invadiu armado o apartamento em que a estudante morava com os pais em Santo André no dia 13 de outubro de 2008.
Lá, Lindemberg manteve Eloá e outros três colegas de escola dela como reféns - Nayara, Iago e Victor Campos. Depois, os dois meninos foram libertados.
Após cem horas de cárcere privado, a polícia invadiu o apartamento. Durante a confusão, Lindemberg atirou na cabeça de Eloá e na de Nayara. Eloá foi atingida por dois disparos e teve morte cerebral no dia 18 de outubro. Alguns dos órgãos de Eloá foram doados. Nayara foi baleada no rosto, mas sobreviveu.
Doze crimes
Lindemberg responde por 12 crimes. Além da morte de Eloá, são duas tentativas de homicídio (contra Nayara e o sargento Atos Antonio Valeriano, que escapou do tiro); cárcere privado (de Eloá, Victor, Iago e duas vezes de Nayara) e disparo de arma de fogo (foram quatro).
Segundo o Ministério Público, se Lindemberg for condenado por todos os crimes atribuídos a ele, a pena mínima poderá ser de 50 anos e a máxima de 100 anos de reclusão. Pela legislação do país, no entanto, ninguém pode ficar preso a mais de 30 anos.
O julgamento de Lindemberg deve durar três dias, segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).fonte g1,sp;

DOIS TRANFERIDOS PARA SOBRAL APÓS QUEDA DE MOTO ENTRE CAMOCIM E BARROQUINHA.


Por volta das 03h00 da manhã desta segunda-feira (13), foram vitimas de queda de moto na CE 085, próximo a Cerâmica Jatobá, o servente João Paulo Ferreira, 27 anos, natural de Uruóca e residente em Barroquinha; e o agricultor Luiz Carlos e Sousa, 37 anos,  natural e residente em Barroquinha na Localidade de Lagoa do Mato. Os dois homens trafegavam em uma moto Crypton de cor azul e placa HUZ 9007.

CHAVAL:DURANTE BRIGA,JOVEM É ATINGIDA Á "PEDRADAS"NA CABEÇA.


No início da noite de sábado (11), os policiais do Destacamento de Chaval (Sds Genilson, Targino e Costa) foram atender uma ocorrência de lesão corporal na Rua do Cruzeiro, Chaval - Ce.
Os policiais chegaram ao local e se deparam com a jovem Juliana com uma lesão na cabeça, na altura da testa.
Segundo a vítima, uma outra jovem identificada como Daniele havia lhe lesionado com uma "pedrada" na cabeça durante uma briga que foi motivada devido a um ex-namorado de Juliana.

LUTO


Lane Érica

0 comentários: