segunda-feira, 4 de agosto de 2014

ONU DIZ QUE ATAQUE A ABRIGO É 'CRIMINOSO' E ISRAEL DECLARA CESSAR-FOGO DE 7 HORAS.

Não é a primeira vez que escola que serve de abrigo para a ONU é atingida
Horas após Israel disparar um míssil na entrada de um abrigo da ONU em Gaza e matar ao menos 10 pessoas, o secretário-geral da organização, Ban Ki-moon, declarou que o ataque era "um ato criminoso e moralmente ultrajante".
"Foi uma grave violação das leis internacionais", disse Ban.
Na noite de domingo, Israel anunciou um cessar-fogo humanitário de sete horas, começando na segunda-feira de manhã. A trégua, no entanto, não se aplica à cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, onde fica a escola atacada. O exército israelenses informou ainda que o país pode retomar os ataques durante essas sete horas caso seja atacado.A porta-voz do Departamento de Estado americano, Jen Psaki, disse que os Estados Unidos estavam chocados por conta do ataque "vergonhoso" deste domingo.
Segundo Mark Regev, porta-voz do governo israelense, o alvo não era a escola, mas três militantes palestinos do grupo Jihad Islâmica que estavam em uma moto próximo ao local no momento o ataque. O grupo, no entanto, não divulgou nada sobre a possível morte de alguns de seus membros.
Para Regev, se os militantes estavam transformando a região da escola em zonas de guerra, então eles deveriam ser responsabilizados pelas mortes.
Três soldados israelenses foram mortos em Rafah em uma emboscada nesta semana. Autoridades israelenses confirmaram no sábado a morte de um deles, Hadar Goldin, que estava desaparecido até então. O governo israelense acreditava que Goldin estava nas mãos do Hamas – o que levou ao fim de um cessar-fogo temporário na sexta-feira.
Durante a madrugada deste domingo, forças israelenses lançaram 13 ataques aéreos contra o território palestino. Dois foguetes palestinos também foram disparados contra Israel.

MAIS UMA RUÍNA SAI DE SENA NO BAIRRO RECIFE

Prédio secular localizado na esquina da Rua do Apolo com Rua do Observatório é restaurado pelo Porto Digital


Cleide Alves

cleide@jc.com.br

 / Hélia Scheppa/JC Imagem

Hélia Scheppa/JC Imagem

O prédio de número 235 da Rua do Apolo, no Bairro do Recife, que estava abandonado e em processo de arruinamento, passa por obra de restauração e abrigará atividades do Porto Digital. Construção do século 19, com características da arquitetura neoclássica e colonial, o imóvel tem 79 metros de comprimento e se estende até o Cais do Apolo. O serviço, iniciado no último dia 10, prevê recuperação das fachadas, coberta, cantarias, esquadrias e gradis, além de consolidação da alvenaria interna so imóvel.
De acordo com o arquiteto Jorge Passos, responsável pela intervenção, o edifício encontra-se bastante deteriorado, destelhado (sobraram madeiras apodrecidas, que serão trocadas) e com um pedaço de parede comprometido pelas raízes de um pé de fícus benjamim que cresceu e se espalhou pela alvenaria. “Vamos desmontar uma parte da parede, tirar a árvore e remontar os tijolos”, declara o arquiteto. O prédio ganhará nova coberta com telha canal, sobre uma estrutura metálica.
Com 8,45 metros de largura na fachada da Rua do Apolo e 2,10 metros de largura na fachada do Cais do Apolo, o edifício tem dois pavimentos e um porão. O material empregado na construção, diz Jorge Passos, sugere que o imóvel teria uso misto, com atividades comerciais no térreo e residência no primeiro pavimento. “Na parte superior, os acabamentos são melhores, com mais requintes quando comparado com o térreo”, observa.
Nas janelas e portas, há cercaduras de cantaria de pedra lioz (um tipo de calcário) e de arenito. “A cantaria é um indicativo da época colonial”, afirma Jorge Passos. Ele tem até 10 de março de 2015 para concluir a obra, que tem projeto de restauração do Grupo de Arquitetura e Urbanismo (Grau) e projeto de arquitetura de Juliano Dubeux.
A recuperação interna do edifício (piso, escada, elevador, banheiro) está prevista para começar em dezembro e o prazo de execução é de 14 meses. “Em meados de 2016 terminamos a obra toda e o prédio estará pronto para funcionar, com 1.495 metros quadrados de área construída”, informa Leonardo Guimarães, diretor-executivo do Núcleo Gestor do Porto Digital.