quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

QUINTA-FEIRA, 16 DE JANEIRO DE 2014

POLICIAL MILITAR MORRE EM COLISÃO ENTRE MOTO E CAMINHÃO NA LOCALIDADE DE PRIVAT, ENTRE CAMOCIM E GRANJA.


O acidente fatal ocorreu em um local conhecido como “curva da morte”.

Durante a manhã desta quinta-feira (16), por volta das 10h30, uma triste notícia abalou todos que fazem  a família policial militar de Camocim e região.
Policiais da PRE ligaram para o Copom da 3ªCIA/3ºBPM comunicando um acidente com vítima fatal entre Camocim e Granja, mais precisamente num local conhecido como “Curva da Morte”, na localidade de Privat, zona rural de Granja. Os policias chegaram ao local e presenciaram um corpo totalmente esquartejado e mais na frente uma motocicleta Honda Titan totalmente retorcida. Somente minutos depois veio a informação que a vítima infelizmente era o soldado da PM José Darley de Araújo, 47 anos, o qual trabalhou por muitos anos na 3ªCIA/3ºBPM.

DE ONDE VÊM AS ARMAS DO CRIME EM SÃO PAULO?.


Armas | Foto: BBC
Maior parte de armas de grosso calibre apreendidas no Brasil vêm dos EUA
Com 19 milhões de habitantes em sua área metropolitana, São Paulo é uma cidade imponente por seu tamanho, diversidade e dinamismo econômico. Mas a cidade é também um grande mercado para as armas, com mais de 14 mil confiscadas durante 2011 e 2012.
Um estudo deste arsenal apreendido pelas autoridades em dois anos indicou que a grande maioria (93%) são armas curtas como revólveres ou pistolas, e que mais de três quartos (78%) são fabricadas dentro do Brasil, principalmente pela empresa Taurus.

"Nos surpreendeu que os Estados Unidos sejam o maior provedor de armas (com alto poder de fogo) do crime em São Paulo", disse Bruno Langeani, um dos autores do estudo divulgado à BBC.O levantamento da ONG Sou da Paz, com sede em São Paulo, também revelou que ao analisar-se exclusivamente as armas de maior poder de fogo apreendidas na cidade, como fuzis, carabinas e submetralhadoras, a maioria (56%) vem do exterior e mais de um terço (35,6%) são americanas.
Langeani atribui o fenômeno à maior "facilidade" que existe nos Estados Unidos para que civis possam adquirir armas de guerra. Segundo ele, isso tem um impacto na violência doméstica do país e também em outras partes da América Latina.
"No fenômeno dos carteis mexicanos, essa participação de armas norte-americanas já estava bastante identificada. E com essa pesquisa mostramos que isso vai mais longe. Essas armas estão chegando ao Brasil", disse.

'Capacidade de destruição'