domingo, 22 de fevereiro de 2015

EM MEIO A RUSGA DIPLOMÁTICA, TRAFICANTE INDONÉSIA CUMPRE PENA DE 6 ANOS EM SÃO PAULO.

Paula Adamo Idoeta

Há, em São Paulo, cerca de 500 estrangeiras detidas, segundo ONG
M.M.*, de 38 anos, instrutora de tênis, foi presa em 2012 no aeroporto de Guarulhos (SP), depois que fiscais encontraram 3,6 kg de cocaína no forro de sua mala. O caso, semelhante a dezenas de outros registrados em Guarulhos, se diferencia apenas pela origem da traficante: ela é de nacionalidade indonésia.
Segundo os registros do sistema prisional nacional, é a única cidadã indonésia detida no Brasil atualmente. M.M. foi condenada a 6 anos e 27 dias de prisão por tráfico internacional de drogas e, quando a sentença tiver sido cumprida, em 2018, deverá ser mandada de volta ao país de origem. A mesma acusação de tráfico recai sobre os dois brasileiros condenados à morte no país asiático.
Marco Archer foi executado em 17 de janeiro, apesar do pedido de clemência feito pela presidente Dilma Rousseff, algo que estremeceu as relações entre Brasil e Indonésia.
Nesta sexta-feira, Dilma recusou temporariamente as credenciais do novo embaixador indonésio no país, Toto Riyanto - negou que seja uma "retaliação", mas afirmou que o governo decidiu "atrasar um pouco o recebimento" dos papéis diplomáticos até que tenha "clareza sobre as relações com a Indonésia".