sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

QUADRO DE SAÚDE DE DOMINGUINHOS PERMANECE GHRAVES.



Músico foi internado na segunda-feira (17), com pneumonia bacteriana. 
Ele está sedado e respira com a ajuda de aparelhos.


O músico Dominguinhos, 71 anos, segue internado em estado grave na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) Coronária do Hospital Santa Joana, no Recife. De acordo com informações da unidade de saúde, não houve alteração no quadro do boletim divulgado na quinta-feira (20), durante coletiva concedida pelos médicos que atendem o sanfoneiro.
Dominguinhos se encontra sedado, respirando com a ajuda de aparelhos e em uso de antimicrobianos, em continuidade ao tratamento da infecção respiratória e arritmia que o levaram à internação, na segunda-feira (17). Não há previsão de alta.
O sanfoneiro luta há seis anos contra um câncer de pulmão, que mantém-se estável e respondendo bem às drogas, além de doenças associadas, como insuficiência ventricular, arritmia cardíaca e diabetes. O tratamento ocorre entre Recife e São Paulo, devido à agenda de shows do artista. A apresentação que ele faria no sábado (22), em Brasília, foi cancelada.
História
José Domingos de Morais, mais conhecido como Dominguinhos, é natural de Garanhuns, no Agreste de Pernambuco. Conheceu Luiz Gonzaga com oito anos de idade. Aos 13 anos, morando no Rio de Janeiro, ganhou a primeira sanfona do Rei do Baião, que três anos mais tarde o consagrou como herdeiro artístico.

Instrumentista, cantor e compositor, em 2002 ganhou o Grammy Latino com o "CD Chegando de Mansinho". Ao longo da carreira, fez parcerias de sucesso com Gilberto Gil, Chico Buarque, Anastácia, Djavan, entre outros. Atualmente, Dominguinhos é considerado o sanfoneiro mais importante do país
.

CAPITÃO WAGNER X CORONEL BEZERRA.




CAPITÃO WAGNER DIZ QUE SECRETÁRIO NÃO TEM COMPETÊNCIA PARA OCUPAR A FUNÇÃO.

Em contato com o programa Paulo Oliveira, na Rádio Verdes Mares AM, nesta manhã de quarta-feira, o vereador eleito Capitão Wagner (PR), pediu direito de resposta em razão de críticas que lhe foram feitas, terça-feira, nesse espaço, pelo secretário da Segurança Pública e Defesa Social do Estado, coronel Francisco Bezerra.
Capitão Wagner disse o secretário falou inverdades ao dizer que ele nunca trabalhou na Corporação. Disse que prestou serviços, inclusive, em vários quarteis do Interior como em Jaguaribe e também na CPRV e que, chegou a se afastar, certo momento da Corporação, por problemas de saúde.
Ele lamentou as críticas do secretário Francisco Nascimento, a quem qualificou como “sem competência” para estar nessa função, observando que ele nunca circulou numa viatura nem deu tiro contra algum marginal. Disse também o Capitão Wagner que o secretário Francisco Bezerra só assumiu a SSPDS porque é amigo do governador e o acompanha há tempos, inclusive, desde a época em que Cid Gomes foi prefeito de Sobral .
Capitão Wagner chegou a considerar “fantasia” mais do que realidade fato recente em que o secretário Francisco Bezerra teria trocado tiros com ladrões na Via Expressa. Esse episódio foi divulgado pela área policial no último fim de semana. Via Blog Eliomar de Lima

fonte:RVMA/camocim belo mar blog

CONHEÇA UM POUCO DA HISTORIA DA "PELADONA DO BBB" A SENADORSAENSE QUE VEM CONQUISTADO O MUNDO.


A senadorsaense não chegou a entrar no “Big Brother Brasil”, mas chamou mais atenção que muitos que estiveram lá. Quem não se lembra da passagem meteórica de Eliane Lima em 2003, invadindo o palco da eliminação do programa ao vivo, completamente nua? A performance deixou o apresentador Pedro Bial constrangido e o público curioso. A cearense conseguiu o que queria: fama, divulgar a banda onde trabalhava como dançarina, posar nua para as revistas e iniciar um pé de meia. Hoje, quase 10 anos depois, ela relembra o ato de coragem e revela que pouca coisa mudou em sua vida. “Continuo lutando com a minha música.
Quero sucesso”, sonha ela, agora vocalista da dupla de funk melody “Sedução fatal”.
Moradora de Guadalupe, a primeira peladona da história do “BBB” nasceu no municipio de Senador Sá (Distrito de Salão) interior do Ceará e veio para o Rio em 2002, sonhando com o estrelato. De família humilde, (o pai faleceu quando ela tinha 9 anos, e a mãe, analfabeta, teve dez filhos, sendo que 5 'segundo ela' morreram de fome), ela conta que tinha apenas 16 anos quando bolou o plano de tirar a roupa na TV. “Para mídia, eu tinha que dizer que já era maior de idade”, explica a loura, hoje solteira e com 26 anos.
Com a fama repentina, ela conta que até recusa convites para fazer filme pornô e “sair” com diretores de TV”. Seu único arrependimento foi não ter aceito o convite para integrar o elenco do programa “Pânico”, que, em fase de formação, buscava uma musa. Uma não, segundo ela, duas. “Fizeram o convite para mim e para a Sabrina Sato.Queriam nós duas. Cheguei a participar de reuniões com a direção, e o Emílio (Surita, o apresentador), mas o meu empresário na época achou que eu ia ganhar pouco dinheiro e não topou”, lamenta. “Tive maus empresários, por isso minha carreira não decolou”.
Com o pouco que ganhou, comprou uma casa própria para a mãe no Ceará, colocou silicone nos seios, fez uma lipoaspiração, e investiu na carreira de cantora. Agora, fazendo uma média de dois shows por semana por todo o país, ela quer mais. “Passar fome como eu passava no Ceará, nunca mais.
Mas quero ir mais além. Se precisar tirar a roupa de novo num programa de televisão para chamar novamente a atenção, por que não? Estou pensando seriamente nisso. Se o Boninho (diretor do ‘BBB’) quiser, entro no programa só para ficar nua ”, diverte-se.
Eliane Lima em entrevista ao Extra dia 16 de Dezembro de 2012.fontes g1BBBsenador sá informes /camocim belo mar blog

FILHOS DE IMIGRANTES INSPIRAM PAIS A BUSCAR LEGALIZAÇÃO NOS EUA.



Chela Praeli e a filha Lorella
Lorella convenceu a mãe, Chela Praeli, a defender publicamente a reforma migratória
Quando deixou o Peru, há 13 anos, para viver nos Estados Unidos, Chela Praeli pressentia que estava tomando uma decisão sem volta. Mas não pensou duas vezes.
Sua filha Lorella, então com 11 anos de idade, havia acabado de perder a perna em um acidente. As possibilidades de tratamento, assim como a qualidade da tecnologia das próteses disponíveis no Peru pesaram na decisão da família de se mudar – parcialmente – para os Estados Unidos.
Até hoje, para não perder a renda do trabalho, o marido de Chela, advogado, vive na ponte aérea entre o Peru e os Estados Unidos. O casal mantém uma espécie de relacionamento à distância. "Naquele momento, eu precisava escolher entre ser mulher e ser mãe. Escolhi ser mãe", explicou Chela à BBC Brasil.
A situação se complicaria a partir de 2011, quando os Estados Unidos endureceram as regras de imigração após os atentados às Torres Gêmeas. O governo parou de renovar os vistos e Chela, que era psicóloga no Peru, se manteve nos Estados Unidos ilegalmente, limpando casas.
Hoje, com as duas filhas crescidas e saudáveis, ela diz que as decisões valeram a pena. "Não estou fazendo mal a ninguém. Vim para cá, desrespeitei a lei, mas foi por algo grande. Era a recuperação da minha filha", disse.

Inspiração

Chela é um dos – ainda raros – pais que, inspirados por seus próprios filhos, decidiram contar a sua história na tentativa de influenciar um debate que promete ganhar corpo no ano que vem: as discussões sobre uma reforma migratória abrangente nos Estados Unidos.
Os chamados Dreamers, ou sonhadores – os filhos de imigrantes trazidos ilegalmente para o país quando crianças – já são considerados por muitos observadores da política americana como um dos acontecimentos mais importantes a desabrochar em 2012.
Mas diferentemente da segunda, a primeira geração nessas famílias de imigrantes ainda permanece firmemente invisível na sociedade americana.
"Foi Lorella quem assumiu primeiro a responsabilidade de dar a cara por nós, por essa população que vive oculta, nas sombras", contou Chela. "Foi minha filha que me deu a segurança e a coragem que me faltava (para lutar pela legalização)."
Como Chela, o mexicano Juan José Zorrilla, 40, que vive nos Estados Unidos desde 1996, se diz "fascinado" com o movimento do qual a filha de 19 anos é uma liderança.
No último congresso de entidades pró-imigração, realizado neste mês na Cidade do Kansas, Missouri, ambos participaram de uma modesta "cerimônia" para marcar o momento em que decidiram "sair das sombras".
"Este é o momento de nos unirmos a este movimento. Isto vai reunir uma força extraordinária e o que está por vir é ainda maior", acredita Zorrilla.
"Nós, pais, não estamos nos engajando para impulsionar os nossos filhos. Eles não precisam, já conseguiram muitas coisas sem a gente. Queremos tirar proveito da esperança de ver uma reforma migratória abrangente."

Paradoxo migratório

Juan José Zorrilla e a filha, Lizeth, em primeiro plano
Lizeth (em primeiro plano) levou o pai, Juan José, para a organização United We Dream
A pressão por uma reforma migratória nos Estados Unidos aumentou após as eleições de novembro. O tema mobilizou os latinos, que hoje compõem 10% do eleitorado, e foi alvo de uma promessa expressa do recém-reeleito presidente.
Em junho, a pressão política dos "sonhadores" já havia levado o governo Obama a anunciar um visto de trabalho temporário para os que cumprirem certos critérios, como ter vivido e estudado nos Estados Unidos por determinado número de anos.
Foi um impulso importante em uma discussão que está travada há mais de uma década no Congresso americano. Desde 2011 o bloco anti-imigração bloqueia a passagem do chamado Dream Act, que abriria um caminho para a naturalização destes jovens.
No entanto, nem a história positiva dos sonhadores ofuscou o fato de que o governo Obama foi o que relativamente mais deportou imigrantes ilegais na história: pouco menos de 1,5 milhão em quatro anos.
Sob o republicano George W. Bush, 2 milhões de imigrantes foram expulsos dos Estados Unidos, mas ao longo de oito anos.
Um cálculo do instituto Pew estima que 1,2 milhão de jovens podem ganhar a legalidade temporariamente através das medidas – até 1,7 milhão no futuro, segundo as projeções do Pew. Mas o grosso dos mais de 11 milhões de ilegais nos Estados Unidos continua sob o espectro da deportação.
"Estamos cansados de ver as nossas famílias separadas", diz a filha de Juan José, Lizeth Zorrilla, que milita na organização United We Dream.
"Comecei a ver meus pais também como sonhadores. Eles também querem ter uma perspectiva. E eles são a razão por que estamos aqui."

Legalidade

Lizeth Zorrilla
Lizeth obteve recentemente o cartão de seguridade social, que lhe abre as portas para um emprego formal
Desde o anúncio das medidas de alívio, mais de 300 mil jovens como Lizeth já requisitaram o visto de trabalho. Com a sua papelada aprovada, ela é um dos que já estão experimentando, pela primeira vez na vida, o sabor da legalidade no país que considera como sendo a sua verdadeira casa.
Recentemente, Lizeth postou no Facebook uma foto com seu recém-obtido cartão de seguridade social, que lhe abre as portas para um emprego formal, bolsas de estudos a ajudas financeiras para a educação nos Estados Unidos.
"Me enche de alegria ter esse cartão nas minhas mãos", relata. "É uma sensação muito positiva, mas queremos mais."
Aos 19 anos, a filha mais velha de quatro irmãos diz que "a verdadeira bênção" é poder trabalhar e ajudar no orçamento familiar.
"Nossos filhos não podem ser felizes, porque sabem que nós continuamos em perigo de deportação", diz Chela.fonte:BBC Brasil/camocim belo mar blog

ANIVERSÁRIO DA IVONETE ARAGÃO.

Ivonete Live AragaoA FAMÍLIA ARAGÃO: VEM,MANA DESEJAR MIL VOTOS DE FELICIDADES,QUE NESTE ANO,QUE VEM CHEGANDO SEJA MARAVILHOSO,NÃO SÓ PRA VOCÊ MAIS COMO PARA LAVINIA,QUE VOCÊ JÁ,ESTÁ ESPERANDO,E NOSSA SENHORA,LE  DER UM BOM,E MARAVILHOSO PARTO,E SAÚDE,PARA VOCÊ E A BEBÊ, SÃO OS VOTOS DE SEUS  PAIS:
*OTACIANA ARAGÃO
*MANOEL ARAGÃO
*E DOS IRMÃOS.
*IRALDO ARAGÃO
*IVONE  ARAGÃO
*IRACEMA ARAGÃO
*E DO ESPOSO.
*LANIER GOVEIA
*FILHO
*VITOR EMANOEL
MUITA PAZ SAÚDE QUE O NATAL DO SENHOR  JESUS ESTEJA COM VOCÊ.
SÃO OS VOTOS DE TODOS OS CUNHADOS,E AMIGOS,E FAMILIARES EM GERAL.

fonte:camocim belo mar blog

LEI SECA MAIS RÍGIDA ENTRA EM VIGOR HOJE,ÀS VÉSPERAS DO FERIADO DE NATAL E ANO-NOVO.


Brasília - O novo texto que torna a Lei Seca mais rígida está publicado na edição de hoje (21) do Diário Oficial da União. Pela norma, provas testemunhais, vídeos e fotografias poderão ser usados como comprovação de que o motorista dirigia sob efeito de álcool ou drogas ilícitas. Além disso, a nova lei aumenta as punições e os valores das multas cobradas aos infratores. Sancionada ontem (19), a medida entra em vigor no momento em que se intensificam as viagens para os feriados de Natal e Ano-Novo.
A nova Lei Seca, no Artigo 277, determina que o motorista envolvido em acidente de trânsito seja submetido a teste, exame clínico, perícia e os procedimentos técnicos e científicos para verificar se há no organismo a presença de álcool ou substância psicoativa.
Pelo texto, o estado de embriaguez ou do motorista sob efeito de drogas ilícitas pode ser caracterizado pelas autoridades a partir de observações, como a constatação de sinais e imagens – vídeos e fotografias. Também serão aceitos depoimentos e provas testemunhais que comprovem que o motorista não está apto a dirigir.
Pela alteração na lei, a multa passará de R$ 957,65 para R$ 1.915,30 para motorista flagrado sob efeito de álcool ou drogas psicoativas. Se o motorista reincidir na infração dentro do prazo de um ano, o valor será duplicado, chegando a R$ 3.830,60, além de determinar a suspensão do direito de dirigir por um ano.
Em caso de infração, o texto determina que a carteira do motorista e os documentos do veículo devem ser recolhidos pelas autoridades. O veículo também deve ser levado para o depósito dos departamentos de Trânsito. De acordo com o Artigo 262, o veículo será mantido sob o Poder Público.
 

    fonte:agencia brasil/camocim belo mar blog