segunda-feira, 1 de outubro de 2012

ANATEL ASSINA EM OUTUBRO CONTRATOS PARA SERVIÇOS DE TELEFONIA DE 4 G.

As empresas que venceram o leilão terão que disponibilizar a tecnologia 4G nas cidades-sede da Copa das Confederações até 30 de abril de 2013

(foto: Reprodução)
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) vai assinar no dia 16 de outubro os contratos que autorizam o uso das faixas de frequência para a telefonia móvel de quarta geração (4G) que foram leiloadas em junho.

As empresas que venceram o leilão terão que disponibilizar a tecnologia 4G nas cidades-sede da Copa das Confederações até 30 de abril de 2013, e nas sedes e subsedes da Copa do Mundo até 31 de dezembro de 2013.

O leilão realizado pela Anatel resultou em uma arrecadação total de R$ 2,93 bilhões, entre lotes nacionais e regionais. Os quatro lotes nacionais foram arrematados pelas empresas Vivo, Claro, Oi e TIM. A licitação também vendeu a faixa de 450 mega-hertz (MHz), que vai permitir o acesso a serviços de internet e banda larga nas áreas rurais.fonte:agencia brasil/camocim belo mar blog

ENTENDA COMO FUNCIONA O NOVO BOLÃO DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL.

 tira dúvidas de partilha de prêmio, volantes e limite de participantes.
Segundo a CEF, bolão não pode ser feito no sistema de 'teimosinha'.

A partir desta segunda-feira (1º), as apostas em grupo já podem ser feitas em qualquer casa lotérica do país. Segundo a Caixa Econômica Federal (CEF), os chamados bolões serão mais seguros do que os que já eram feitos informalmente, "uma vez que cada apostador terá um recibo comprovando a sua participação".
Para entender esse novo sistema de apostas, que já vale para concursos da Mega-Sena, Dupla-Sena, Quina, Loteca e Lotofácil, confira algumas questões levantadas pelo G1 à CEF:
Como participo de um bolão da Caixa?Existem dois modos. Você pode organizar um bolão com os amigos e depois registrá-lo em uma casa lotérica ou você pode entrar em um bolão feito pela própria lotérica. No bolão com os amigos, os apostadores escolhem os números e registram o jogo em qualquer casa lotérica. Ao ser computado, serão emitidos recibos, os chamados "recibo-cota" - cada participante deve ficar com um.
Caso a pessoa prefira entrar individualmente em um bolão da própria casa lotérica, ela irá receber normalmente o seu recibo, mas não poderá escolher os números, uma vez que quem os escolhe é o sistema.
Volante adaptado traz campo para apostador indicar o nº de participantes do bolão (Foto: Divulgação CEF)Volante adaptado traz campo para apostador indicar o nº de participantes do bolão (Foto: Divulgação CEF)
Existe um modelo especial de volante para o bolão ou eu posso usar o antigo?
Não existe um modelo especial de volante para os bolões. O que foi feito foi uma adaptação do volante antigo. Agora, além dos números a serem apostados, os volantes adaptados terão um campo a mais, no qual o número de apostadores deve ser indicado.
O volante antigo ainda pode ser usado. Basta o apostador, no momento do registro do jogo, informar ao lotérico que se trata de um bolão e informar também o número de participantes.

O que é uma cota?
A cota é o número de participantes do bolão.
Existe um número máximo de cotas?
Sim, e ele varia de acordo com a modalidade. Na Mega-Sena, as cotas não podem ultrapassar 100. Na Dupla e na Loteca, o máximo de participantes é 50, já na Quina e na Lotofácil (de 17 a 18 números) até 25 pessoas podem participar. Na Lotofácil (de 16 números) apenas 12 pessoas podem fechar um bolão.

No recebido-cota, os apostadores são identificados pelo nome?
Não, o recibo-cota só traz o código do jogo e os números apostados. Nós sempre orientamos as pessoas a escrever, a próprio punho mesmo, o nome e o número do CPF no verso do recibo, para que só ele possa retirar o prêmio, caso sorteado. É importante lembrar que, no primeiro momento, o bilhete é do portador. Por isso, quando eu escrevo no verso o meu CPF e o meu nome, ele passa a ser meu.
Como os números do bolão são escolhidos?
Se o bolão for entre amigos, as pessoas escolhem os números livremente. Caso o bolão seja feito na lotérica, faz-se a surpresinha, ou seja, o sistema escolhe os números.
O apostador pode abrir um bolão e deixar o resto das cotas para ser vendido na lotérica?
Isso é decisão de cada casa lotérica, mas é muito improvável que a lotérica deixe o apostador iniciar um bolão sozinho - o que ele pode fazer é entrar em um que já existe.
O que acontece com as cotas que não são vendidas?
Elas não são canceladas, elas continuam a valer normalmente.
Se eu estiver em um bolão de, por exemplo, 100 cotas, mas a lotérica só conseguiu vender 50, e o prêmio sair, como ele será dividido?
O prêmio será dividido pelo número de cotas previsto inicialmente, no caso, 100 cotas. O valor que sobrar ficará para a casa lotérica.
O bolão pode ser feito também na 'teimosinha'?
Não, o bolão só pode ser feito para os concursos próximos, não para futuros.
A pessoa que for entregar o bolão à casa lotérica deve apresentar algum documento de identificação?
Não. A única exigência é que a pessoa informe o número de participantes.fonte:g1 sp/camocim belo mar blog

LEMBRANÇAS E DESEJOS DE JUSTIÇA MARCAM ENTRRO DE JOVEM ATROPELADA.

Dezenas de pessoas compareceram ao sepultamento em Santos.
Jovem mobilizou redes sociais e conseguiu doação recorde de sangue.


Atropelamento de jovem causou mobilização por doação de sangue nas redes sociais (Foto: Anna Gabriela Ribeiro/G1)Atropelamento causou mobilização por doação de sangue nas redes sociais (Foto: Anna Gabriela Ribeiro/G1)
A jovem Ana Carolina Cópia Teixeira, de 21 anos, foi enterrada na tarde desta segunda-feira (1) em Santos, no litoral de São Paulo. A jovem morreu durante a madrugada, uma semana após ser atropelada quando saía do trabalho.
Dezenas de pessoas compareceram no sepultamento, que aconteceu no Cemitério do Saboó. Vanda Galatro, amiga da família, conhecia Ana Carolina desde criança. “Era uma menina muito boa, muito companheira da mãe, porque moravam só as duas. Ela era muito trabalhadora. Ela começou a trabalhar cedo para ajudar a mãe”, lembra.
O sentimento de revolta também se fez presente entre amigos e familiares da vítima, que estavam inconformados com o fato de que o responsável pelo atropelamento tenha fugido do local do acidente sem prestar assistência. “Nós queremos justiça, que o culpado seja encontrado e que se ele se conscientize”, diz a estudante Beatriz Lemos, amiga de Ana Carolina.
Horas antes, no velório, Luiz Henrique Nalin, um dos amigos mais próximos da garota, afirmou que o motorista do veículo não prestou assistência à Ana Carolina. "Infelizmente parece que a vida não tem mais valor. Parece que é só uma palavra. A morte dela não pode ficar como mais um número na estatística. Não pode cair no esquecimento. O cara não teve nenhuma decência de ligar para o resgate. A família precisa procurar um advogado para dar sequência ao processo. A história não pode morrer com ela", pede.
Ana Carolina Cópia Teixeira (Foto: Angélica Goudinho/Arquivo Pessoal)Ana Carolina morreu uma semana depois do
acidente (Foto: Angélica Goudinho/Arquivo Pessoal)
O acidente
Ana Carolina Teixeira foi atropelada no dia 23 de setembro. A jovem, de 21 anos, voltava do trabalho, por volta das 4h, quando foi surpreendida por um veículo em alta velocidade. O motorista que estava no carro não prestou socorro à vítima, que foi levada para a Santa Casa de Santos e passou por uma cirurgia por causa de um traumatismo craniano. A jovem permaneceu internada mais de uma semana na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital em coma induzido, até sofrer uma parada cardíaca e morrer.
Campanha nas redes sociais
Na última quarta-feira (26), amigos de Ana Carolina se mobilizaram em uma rede social para conseguir doações de sangue. Apenas na quarta, 59 pessoas foram até o hospital doar sangue em nome dela. Em uma das mensagens colocadas na rede social, mais de 2 mil pessoas compartilharam a ação, e o número de doadores não parou de crescer. Segundo a Santa Casa de Santos, o acidente com a jovem mobilizou um número recorde de doadores na cidade. Foi o maior movimento dos últimos cinco anos no local.
Para Nalin, a mobilização serviu para que várias pessoas levantassem a bandeira da doação de sangue. "As pessoas que se manifestaram para ajudar a Carolina também ajudaram muitas pessoas que poderão precisar desse sangue um dia", explica.fonte:g1 santos/camocim belo mar blog