terça-feira, 23 de setembro de 2014

REELEIÇÃO NÃO DEU CERTO NO BRASIL DIZ JOSÉ SERRA.

O candidato ao Senado por São Paulo, José Serra (PSDB), afirmou nesta segunda-feira, 22, que é contra a reeleição e a favor do mandato de cinco anos. "Como regra geral não deu certo. Defendo o fim da reeleição", disse, concordando com a opinião do atual candidato à Presidência pelo partido Aécio Neves.
A reeleição foi aprovada durante o governo do tucano Fernando Henrique Cardoso. Serra ponderou que naquela ocasião a reeleição teve suas virtudes, mas é "indiscutível" que depois não deu certo. "Tem um excesso de focalização na reeleição em vez de politicas permanentes", afirmou, durante a série de Entrevistas Estadão.
Segundo o ex-governador, a reeleição "não deu certo no Brasil" e "não é uma boa". Para ele, o ideal é que o regime anterior, aprovado pela Constituição em 88, retornasse. "Sou a favor do mandato de 5 anos", disse.
Questionado se firmaria um compromisso de cumprir o seu mandato durante os oito anos, caso seja eleito, Serra afirmou que "essa questão não está posta; minha questão é ganhar a eleição", disse. Sobre as críticas de seu agora adversário Gilberto Kassab (PSD) que afirmou que ele não cumpre mandatos, Serra rebateu e afirmou que "não vou comentar programas de partidos adversários".

SEMANA NACIONAL DO TRÂNSITO PROMOVE CAMPANHA POR SEGURANÇA DE PEDESTRES.

Transporte - Sinalização - Faixa de pedestresGustavo Moreno
Câmara já aprovou projeto que exige melhor demarcação das faixas de pedestre.
A segurança dos pedestres é o foco da Semana Nacional do Trânsito e de várias propostas em análise na Câmara dos Deputados. Com o slogan "Cidade para as pessoas: proteção e prioridade ao pedestre", o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) promove, até quinta-feira (25), uma nova campanha de conscientização em busca de segurança nas ruas e estradas do País.
O tema deste ano é baseado no artigo 29 do Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97), que obriga todos os veículos, motorizados ou não, a garantir a proteção do pedestre.
O coordenador da Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro e um dos autores da Lei Seca (Lei 11.705/08), deputado Hugo Leal (Pros-RJ), elogiou a escolha do tema pelo Contran. Para ele, o Brasil vive uma "tragédia diária no trânsito".
"O que tem acontecido, ultimamente, é que se tem esquecido que as cidades foram feitas para as pessoas e não para os carros. A ótica que se tem discutido é de vias de trânsito para carro: viadutos, ampliação de avenidas, túnel”, disse Hugo Leal. “O que se deve passar a discutir é a responsabilidade do pedestre em relação ao trânsito: tanto o ciclista quanto o pedestre, que são as partes mais vulneráveis envolvidas nesta equação do trânsito.”
Propostas na Câmara
Entre as várias propostas que tramitam na Câmara dos Deputados sobre o tema, Hugo Leal destacou a criação do Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito (PL5525/09). O plano mobiliza todos os órgãos do Sistema Nacional de Trânsito a cumprir metas de redução no índice de mortos nas vias de tráfego. Outra proposta semelhante (PL6520/13) institui o Programa Nacional de Redução de Acidentes de Trânsito.
A Câmara já aprovou projeto (PL 3193/08) que exige a demarcação das faixas de pedestre com sinal luminoso. O texto está, agora, no Senado.
Os deputados ainda analisam propostas que obrigam a instalação de cronômetros nos sinais de trânsito localizados perto de escolas (PL 7661/14); que estabelecem diretrizes para a circulação de pedestres e ciclistas (PL 6207/13); e que preveem medidas educativas e de engenharia de trânsito voltadas à prevenção de atropelamentos (PL 4277/12).
Violência no trânsito
Apesar de diferenças consideráveis mesmo em estatísticas oficiais, o diretor do Instituto Prevenir e do Portal do Trânsito, Celso Mariano, classifica de "apavorantes" os números envolvendo o trânsito no Brasil.
"Se nós partimos dos mais de 40 mil, que é o número oficial do Denatran [Departamento Nacional de Trânsito], até a projeção dos quase 80 mil mortos por ano, pela análise das indenizações do seguro DPVAT, temos um número intolerável”, afirmou Mariano. “O trânsito não era para estar matando ou ferindo ninguém. Não há um número aceitável: enquanto uma pessoa ainda estiver se ferindo no trânsito, tem alguma coisa errada."
Parlamentares e especialistas apontam diversos fatores que geram acidentes de trânsito: problemas na infraestrutura e no planejamento viário, na aplicação das leis e, sobretudo, no comportamento dos usuários do trânsito.

MISSES SÃO AVALIADAS EM DESFILE DE BIQUÍNI.

A Ponte dos Ingleses, em Fortaleza, foi o cenário escolhido para a apresentaçãoTatiane Moreno entretenimento@band.com.br






A semana das candidatas à coroa de Miss Brasil começou com mais uma avaliação do júri técnico. A primeira aconteceu na semana passada, durante a visita ao Instituto Iprede.

Veja fotos das misses de biquíni

Pela manhã, as misses ensaiaram no Centro de Eventos do Ceará. De lá, o grupo seguiu para um almoço no hotel Sonata de Iracema, onde foi recebido por três tenores.

Devidamente alimentadas, as meninas chegaram à Ponte dos Ingleses, também conhecida como Ponte Metálica, na praia de Iracema, e visitaram o Aquário. O local é um dos destinos mais procurados pelos turistas.

Usando biquínis das grifes Águas Claras e Cyann, com acessórios de Fabrizio Giannone - confeccionados especialmente para a ocasião - elas mostraram desenvoltura na passarela e colocaram em prática as poses e giros aprendidos na noite anterior.

Na sala de preparação, muita correria e cumplicidade entre as candidatas. Com o costume de passarem laquê no bumbum e nas pernas, as misses se revezavam para receber o produto com o intuito de disfarçar as imperfeições.

Iasmyne Sampaio, representante do Acre, falou sobre a sensação de abrir o desfile. “Fiquei um pouco nervosa porque o meu estado é sempre o primeiro em tudo e tenho a responsabilidade de fazer bonito logo de cara, senão não me destaco”, comentou a universitária após a primeira entrada.

Amanda Recla, do Espírito Santo, também tentou driblar o nervosismo. “O vento estava muito forte, o que nos deixou mais apreensivas. Na segunda entrada, como já conhecia o percurso, tentei desfilar melhor”. 

Jéssica Rodrigues, Miss Mato Grosso, contou um de seus segredos para o desfile com traje de banho. “Usei um óleo iluminador para dar brilho à pele. Não costumo passar laquê como as outras meninas porque acho que, com o sol, ele pode surtir um efeito contrário”, comentou.