segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

BARCO COM 6 PESSOAS NAUFRAGA E UMA DESAPARECE EM RIO DE RORAIMA.RR


Caso ocorreu na tarde deste domingo (19) próximo a porto de Boa Vista.
Corpo de Bombeiros realiza buscas por desaparecido no rio Branco.

Do G1 RR

  •  
Equipe do Corpo de Bombeiros de Roraima faz buscas pelo rio Branco (Foto: Neidiana Oliveira/G1)Equipe do Corpo de Bombeiros de Roraima faz buscas pelo rio Branco (Foto: Neidiana Oliveira/G1)
Um barco com seis pessoas, entre elas uma criança de dois anos, naufragou por volta das 15h deste domingo (19) no rio Branco, em Boa Vista. Segundo o Corpo de Bombeiros, cinco pessoas conseguiram se salvar e uma das vítimas continua desaparecida até às 18h30 (20h30 horário de Brasília).
O acidente ocorreu próximo ao antigo Porto da Fluvial, no bairro Calungá, zona Sul da cidade. Conforme duas pessoas que seguiam na embarcação, o grupo estava na Praia Grande desde o início da manhã e atravessaram o rio para comprar bebidas alcoólicas.

PARANAENSE DE 17 ANOS É APROVADO EM SEIS VESTIBULARES PARA MEDICINA.

'Ainda não caiu totalmente a ficha', conta o estudante Cezar Lorenzi.
Adolescente mora em Pato Branco e prestou vestibular pela 1ª vez.

Do G1 PR/camocim belo mar blog
Garoto prestou vestibular em sete instituições pela primeira vez (Foto: Arquivo Pessoal)Garoto prestou vestibular em sete instituições pela
primeira vez (Foto: Arquivo Pessoal)
O paranaense Cezar Henrique Lorenzi, de 17 anos, foi aprovado em seis universidades para o curso de medicina. O adolescente, que mora em Pato Branco, no sudoeste do estado, prestou vestibular pela primeira vez e foi aprovado em três universidades federais, uma estadual e duas particulares. Ao G1, ele contou que o grande número de aprovações foi um resultado inesperado. “Sempre achei justamente o contrário, e, por isso, busquei fazer o vestibular em um número grande de universidades", lembra.
Até a publicação desta reportagem, Lorenzi havia sido aprovado para o curso de Medicina na Universidade Positivo (UP); na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR); na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG); na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), na Universidade Federal do Paraná (UFPR); e na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Ele ainda aguarda o resultado da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

GENÉTICA AJUDA A DEFINIR SE SOMOS PASSOAS DIURNAS OU NOTURNAS.


Bebê dormindo ao lado de seu gêmeo, desperto (BBC)
Entender nosso relógio biológico nos ajuda a viver melhor
Nossos genes ajudam a determinar se somos pessoas diurnas ou noturnas, dizem especialistas.
Algumas pessoas pulam da cama cedo sem grandes dificuldades; outras precisam de mais de um alarme para garantir que não vão se atrasar ao trabalho.

Somos divididos entre cotovias e corujas - e isso é definido pela genética, explica o neurogeneticista Louis Ptacek, da Universidade da Califórnia.Uns ficam acordados durante a madrugada, mas há quem não abra mão de dormir cedo.
"Independentemente de querermos ou não, nossos pais é que ditam a hora de dormir - com base nos genes que nos transmitiram", diz ele.

Produtividade

Os cientistas descobriram a importância de se entender o "cronotipo" de cada pessoa, ou seja, a hora do dia em que ela é mais produtiva - algo que pode ajudá-la a viver melhor no mundo moderno.
Rick Neubig, professor de farmácia em Michigan (EUA), é uma pessoa diurna.
"Pessoas com quem troco e-mails na Europa sempre reparam que eu mando as mensagens bem cedo", diz ele. "Outra coisa de que gosto muito, e que combina com manhãs, é observar pássaros. É muito mais fácil para mim do que para outras pessoas acordar de madrugada para vê-los."
E essa facilidade é hereditária. Neubig conta que sua mãe costumava acordá-lo às 4h da manhã para as férias familiares. E, hoje, sua filha costuma se exercitar logo cedo.

Traços genéticos

Ptacek está estudando famílias de hábitos matutinos que tenham a síndrome Familiar de Fase Avançada de Sono.
"É um traço genético forte", diz o médico, que identificou um gene mutante que faz uma proteína diferente - e que afetou o ritmo do relógio biológico em animais estudados em laboratório.
O especialista também acompanha famílias de "corujas", que têm a síndrome de fase "atrasada". Ele acha que isso se deve a uma diferente mutação no mesmo gene.
Nosso relógio interno é formado por milhares de células nervosas no núcleo supraquiasmático - uma estrutura localizada no hipotálamo (que controla diversas funções corporais, da liberação de hormônios à regulação da temperatura corporal), na base do cérebro.
Esse relógio é reiniciado diariamente pela luz.
Seria lógico concluir que os relógios biológicos de todas as pessoas seguiriam ritmos parecidos, mas isso não acontece.
"Se o seu relógio for rápido, você será propenso a gostar de fazer as coisas logo cedo, e vice-versa", diz Derk-Jan Dijk, professor do Centro de Pesquisas do Sono da Universidade de Surrey (Grã-Bretanha).