domingo, 20 de abril de 2014

CORPO LOCALIZADO EM PEDREIRA É DE JOVEM DESAPARECIDA EM JATAÍ-GO.

Corpo de Tatylla Cristina Marçal da Silva, foi achado em pedreira
Corpo de Tatylla Cristina Marçal da Silva, foi achado em pedreira
Foto: Reprodução/Internet


Comparação entre as impressões digitais confirmou identidade da vítima. Tatylla Cristina, de 24 anos, desapareceu no domingo após sair de igreja









O Instituto Médico Legal (IML) de Goiânia confirmou neste sábado (19) que o corpo localizado em uma pedreira de Aparecida de Goiânia é de Tatylla Cristina Marçal da Silva, de 24 anos. A garota desapareceu no fim de semana, após sair de uma igreja, em Jataí, no sudoeste do estado.
A identificação foi feita pela comparação entre as impressões digitais e documentos da jovem trazidos de Jataí por familiares. Não foi necessário que a família fizesse a identificação visual do corpo.
De acordo com o IML, o laudo que confirma a causa da morte da jovem só será entregue à Polícia Civil. Agnaldo Coelho Alves, um dos delegados responsáveis, afirmou que está fora da cidade e ainda não teve acesso aos documentos.
O corpo foi localizado na sexta-feira (18). Segundo Agnaldo, as características do corpo levantaram a suspeita de que se tratasse da jovem desaparecida. “As vestimentas batem com as que ela [Tatylla Cristina] estava usando quando sumiu, segundo os familiares nos relataram. No entanto, nem a família pode fazer o reconhecimento oficial devido ao grau avançado de decomposição do corpo”, explicou o delegado.
Desaparecimento
O último contato de Tatylla Cristina com a família aconteceu na noite de domingo (13), quando ela se encontrou com a mãe na igreja. “Eu liguei para ela às 19h. Ela estava chorando e eu não perguntei o que foi. Aí, eu a chamei para ir à igreja. Ela foi, saiu mais cedo e foi embora. Disse que ia dormir”, relatou a mãe Adenilda Marçal Trindade. Em seguida, a mãe diz que ligou várias para o celular da jovem, mas as ligações sempre caiam na caixa de mensagem.
No dia do desaparecimento, câmeras de monitoramento de Jataí registraram a passagem de um carro que seria o da jovem, um Hyundai ix35 de cor prata, seguindo uma caminhonete, que, segundo a Polícia Civil, pertence ao namorado dela. O namorado já prestou depoimento à polícia e, apesar das imagens obtidas pela investigação, disse que não se encontrou com Tatylla no dia em que ela desapareceu.

QUATRO-PONTENSE MIRA O SUCESSO NA CARREIRA MUSICAL.

DJULIA PHILIPPSEN TOLEDO QUER SE TORNAR FAMOSA E FAZER MUITOS SHOWS

O Presente/CBM 

Arquivo Pessoal
Djulia é vocalista, mas também anima o público o violão
Forçade vontade e disposição não faltam à jovem Djulia Micaeli Philippsen Toledo, que sonha se tornar uma cantora de sucesso. Ela sabe que alcançar o tão almejado estouro nas paradas musicais não é tarefa fácil, mas já rompeu muitas barreiras com seu talento.

Moradora de Quatro Pontes, Djulia iniciou aos sete anos no coral do município, participou de vários festivais e há pouco mais de dois anos ingressou na Banda Garotos, de Quatro Pontes. Hoje, aos 16, é vocalista da Banda Biografia, de Toledo, disse ontem (17), à reportagem de O Presente.
A quatro-pontense sabe que para se tornar alguém de sucesso, o caminho é árduo, pois milhares de cantores com enorme potencial e características por vezes até melhores do que grandes nomes da música brasileira e internacional não conseguem destaque no meio musical. Por outro lado, acredita que determinação e esforço são fundamentais para chegar lá.

NOVO FUNGO AMEAÇA AS PLANTAÇÕES DE BANANA.

Berlim - O surgimento de uma nova versão do fungo que dizimou plantações de bananas no mundo inteiro durante a primeira metade do século 20 fez a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) emitir um alerta. Batizada de 4 Tropical (TR4), a nova subespécie do agente patogênico causador do mal-do-Panamá já foi encontrada em plantações na Ásia, Jordânia e Moçambique. A preocupação é que o problema chegue à América Latina e também ao Brasil. Na semana passada, a FAO pediu que os países produtores sejam mais ativos no monitoramento e prevenção da doença, considerada uma das mais destrutivas.

Magnus NascimentoPlantada em mais de 130 países, banana é a oitava cultura alimentar mais importante do mundoPlantada em mais de 130 países, banana é a oitava cultura alimentar mais importante do mundo

A TR4 é mais agressiva do que as outras versões existentes do fungo. Ela ataca mais de 50 variedades de bananas, como as cavendish, que incluem os tipos nanica e nanicão. As bananas cavendish, líderes no mercado mundial de exportação, eram até então resistentes à essa praga.

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o fungo ameaça também as variedades prata e maçã. Juntas, essas variedades correspondem a mais de 90% das bananas que chegam aos supermercados no Brasil.

PREFEITURAS DO CEARÁ SOMAM 875 VAGAS.

SALÁRIO ATÉ R$ 8,5 MIL

Cedro, Crateús, Reriutaba e Santana do Cariri selecionam profissionais de todos os níveis escolares


Concurso
Fique atento às datas das provas: Cedro e Santana do Cariri aplicam os testes no dia 25 de maio
Os concursos municipais no Estado do Ceará estão com inscrições abertas para cerca de 875 oportunidades em diversas cidades. Confira:
Cedro
O concurso da Prefeitura de Cedro, localizada no centro-sul cearense, abriu 208 vagas, em cargos que exigem formação de níveis fundamental, médio e superior.
A remuneração varia de R$ 724 a R$ 8.500, de acordo com o cargo e jornada de trabalho, que pode ser de 22h, 30h ou 40 horas semanais.
O período de inscrição vai de 30 de abril a 7 de maio, pelo sitewww.Cev.Urca.Br/concursos. As taxas custam R$ 50, R$ 80, ou R$ 120.
A provas objetivas será no dia 25 de maio. Haverá ainda prova de títulos, prática de direção veicular, e de aptidão física, conforme o cargo.
Crateús
Na fronteira com o Piauí, a aproximadamente 350 km da capital cearense, o município de Crateús lançou edital com 255 oportunidades imediatas, das quais 10 são reservadas para pessoas com necessidades especiais (PNE). Também será formado cadastro de reserva com 556 postos.
Os cargos são de nível médio, técnico ou superior. Os salários variam de R$ 724 a R$ 13.000 para jornadas entre 100 e 200 horas mensais.

ELE VENCEU A MORTE.POR QUE NÃO SUPERAMOS A DOR?.


Quase dois mil anos após a morte, Jesus Cristo é mais celebrado pelo sacrifício no calvário que pela sua vitória mais gloriosa, a ressurreição. O Jornal O povo tenta entender por que isso acontece.
Se lhe fosse perguntado, caro leitor, qual a primeira imagem de Jesus Cristo que lhe vem à mente seriam grandes as chances de sua resposta ser a do mártir, com a cabeça coroada por espinhos, chagas abertas, agonizando na cruz.
Na verdade, até hoje esta é a mais icônica das representações cristãs. É a cruz o que está nas paredes sinalizando que naquele ambiente se professa a fé em Cristo. É o crucifixo o adereço que orna pescoços em busca da proteção divina. É a Sexta-Feira da Paixão a data maior da Semana Santa, aquela que todos se esforçam em guardar. Enfim, é ao calvário que costumamos nos apegar e a recorrer quando o infortúnio e o medo nos assaltam.
Essa valorização extrema do sacrifício, do sofrimento, até não causaria estranhamento se, dentro da liturgia cristã, ele fosse um fim, ou o fim. Não é. É um meio, uma parte. Justamente a que prepara e antecede a maior demonstração de glória do Filho de Deus, a sua vitória contra a morte, a sua ressurreição.
“Parece que o pessoal quando lia o Evangelho esquecia que tinha mais duas ou três páginas para ler depois da crucificação e ficava parado lá, no sepulcro. Não chegava à Ressurreição”, comenta, bem-humorado, o padre Hermano Allegri, diretor da Agência de Informação Frei Tito para América Latina (Adital).
Um rápido passeio pelas manifestações artísticas que têm Jesus Cristo como tema dá uma possível dimensão de quão pouco afeitos somos à celebração de seu retorno à vida, ao tempo em que nos esforçamos em retomar sua dor.

Desde algumas das mais célebres pinturas renascentistas, passando pelas esculturas sacras até encenações teatrais ou cinematográficas, na maioria das vezes o foco é o flagelo, a morte. Raras são as exceções em que se dedicam à ressurreição de Jesus.
Em uma comparação possível, seria como se entre os mistérios da Fé Católica evocados durante a reza do Rosário os cinco que integram o grupo dos Mistérios Dolorosos (da agonia de Jesus no horto até a sua crucificação) fossem mais relevantes que os chamados Gloriosos (que incluem sua ressurreição e ascensão aos céus).
VITÓRIA
“A gente não quer diminuir esse aspecto da morte. Jesus foi morto. Ele não simplesmente morreu, foi mais que isso. Ele foi condenado como um malfeitor, crucificado entre dois ladrões. Ninguém vai tirar a importância desta parte”, pontua o padre Lino Allegri, da Pastoral do Povo de Rua. “Mas a resposta que Deus deu não foi de derrota, foi de vitória, que é a Ressurreição. Se Cristo não tivesse ressuscitado nossa fé seria inútil, seria vã, é São Paulo quem diz isso”.
“O que nos salva é a morte e a ressurreição de Cristo. Os dois. A morte não é uma boa notícia, nunca foi nem nunca será. Morte é destruição. A novidade é que a morte foi vencida! Esta é que é a grande boa notícia que os seguidores de Jesus anunciam”, completa.
O pensamento de padre Lino encontra diálogo fluente na fala do padre Sartorel, professor da Faculdade Católica e coordenador do Centro de Estudos Bíblicos (Cebi). “Nossa fé se fundamenta na ressurreição. Não é em alguém que morreu e ficou no sepulcro, mas em alguém que morreu e ressuscitou, fonte de vida nova, de criação e recriação. Isso é muito importante lembrar. Porque é a partir deste fato que nós vivemos nossa fé”, argumenta.
Mas em sendo a fé na ressurreição de Cristo - e, por consequência, também na daqueles que a Ele seguem -, o sustentáculo do Cristianismo, de onde vem esta preferência acentuada pela Paixão?
A resposta está no passado da própria Igreja Católica, vários séculos atrás, de acordo com o padre Lino Allegri. “Isto é fruto de uma longa, mas muito longa, catequese que foi feita pela Igreja Católica, sobretudo na Idade Média. À época, simpatizava-se de modo especial com o sofrimento de Cristo, com a morte na cruz. Centralizou-se muito esse aspecto da cruz, no sentido de sofrimento, paixão e morte”, analisa Lino. “É uma catequese que se enraizou. Hoje em dia não é bem assim, mas ainda existem algumas visões a este respeito”.

HAMILTON VENCE COM TRANQUILIDADE NA CHINA; MASSA PREJUDICADO EM PIT STOP.

De ponta a ponta, inglês triunfa pela terceira vez seguida em 2014; Rosberg completa dobradinha da Mercedes e mantém liderança no campeonato; brasileiro chega em 15º
Por Xangai, China
Se na corrida anterior, no Bahrein, Lewis Hamilton teve que suar para conter as investidas de Nico Rosberg e sair vitorioso, neste domingo, no GP da China, o britânico da Mercedes não deu a mínima chance para os adversários. Largando na pole position, faturou a prova com extrema facilidade, de ponta a ponta. Com o terceiro triunfo seguido em quatro corridas, o campeão mundial de 2008 chegou aos 79 pontos no campeonato, mas mesmo assim não assumiu a liderança do campeonato, pois seu companheiro Nico Rosberg completou a dobradinha das Flechas de Prata, ao se recuperar após ter caído para a sétima posição na largada. Com o 25º triunfo na carreira, Hamilton ultrapassou a lenda Juan Manuel Fangio e se igualou a outros dois gigantes, Jim Clark e Niki Lauda, como o oitavo piloto com mais vitórias na Fórmula 1. No primeiro GP sob o comando do novo chefe da Ferrari, Marco Mattiacci, o espanhol Fernando Alonso, com uma atuação consistente, levou o carro vermelho a um inédito pódio em 2014.