quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

MULHER DIZ TER SIDO TORTURADA COM LÂMINA E ALICATE EM SEQUESTRO EM FORTALEZA-CE


Uma enfermeira de 38 anos sofreu um sequestro-relâmpago na manhã da terça-feira (8) no Bairro Messejana, em Fortaleza. Segundo a mulher, ela foi abordada por um homem "bem aparentado" em um agência bancária na Avenida Washington Soares e depois por uma mulher loira que a aguardava na parte externa. A vítima denunciou o sequestro à Polícia Civil. O caso está sendo investigado, mas até agora ninguém foi preso.

A enfermeira diz ter dirigido por quase quatro horas sob ameaças dos dois e que chegou a ser torturada com o uso de lâmina de barbear e alicate. "Ela entrou (no carro) na frente e ele entrou atrás. Ela era bem agressiva", conta. A enfermeira disse que chegou a dar a quantia de R$ 1 mil para os dois. "Eles queriam mais. Eles queriam comprar crack. Foram bem claros. Eles tinham uma dívida de droga para ser paga", lembra. Segundo a vítima do sequestro-relâmpago, os dois abriram a agenda do celular dela e ligaram para o marido da mulher e pediram R$ 3 mil reais para liberar a enfermeira.




Durante o sequestro, o casal pediu para a enfermeira para em uma farmácia e comprar lâminas de barbear e alicate de unha. "Eu tava dirigindo, ela pediu para eu não olhar pra ela nem pra ele e que suportasse porque o culpado era minha família que não tinha depositasse o dinheiro. Ela começou a rasgar meu braço, minhas pernas", conta. A mulher também relata que dirigiu para lugares isolados e que os dois consumiram crack e fizeram relações sexuais dentro do carro.




"Ela pegou meu braço e começou a rasgar mais e mais meu carro. Eu comecei a raciocinar e voltei a dirigir em locais públicos", disse. Na Avenida Santos Dumont, os dois pediram para ela parar em outra farmácia para comprar mais lâmina de barbear. A enfermeira estava com cortes no rosto, nos braços e nas pernas, e eles pediram para ela comprar do carro.
Segundo a mulher, o atendente da farmácia chegou a ir até o carro. "Eu ainda arregalei os olhos. Ele viu minha face rasgada, meu pescoço rasgado, mas mesmo assim pegou o aparelho, o dinheiro, trocou o dinheiro e me devolveu. As pessoas que trabalham em locais públicos têm que prestar atenção. A gente pode estar com um assaltante dentro do carro e eles não sabem", alerta.
Após quatro horas de ameaças, os dois decidiram sair do carro. Segundo a enfermeira, os assaltantes disseram que "não rendia mais".  "O que vai acontecer com eles Deus é quem encaminha, mas eu quero deixar registrado".

Fonte: G1CE/camocim belo mar blog

Nenhum comentário: